Gol ameaça liderança da TAM

Em julho, diferença entre as duas empresas, que era de 10 pontos porcentuais em abril, caiu para 0,27 ponto

Alberto Komatsu, RIO – O Estado de São Paulo

A hegemonia da TAM no transporte de passageiros no País, conquistada em meados de 2003, ficou seriamente ameaçada em julho, quando a Gol/Varig quase empatou com a líder, ao responder por 42,88% da demanda por voos nacionais. É uma diferença de apenas 0,27 ponto porcentual em relação à participação da TAM no período, de 43,15%. Enquanto o fluxo de passageiros transportados pela Gol/Varig cresceu 29% no mês passado, na comparação com igual período de 2008, a expansão da TAM foi de 6,16%. Em abril, a participação da TAM era de 49,2%, enquanto a Gol/Varig tinha 38,7%.

Os dados foram divulgados ontem pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e mostram que, entre as principais empresas do setor, foi a Gol/Varig que aproveitou melhor o crescimento de 25,68% na demanda por voos domésticos em julho, em relação ao mesmo período de 2008. É o melhor desempenho desde setembro de 2005, quando a expansão da demanda doméstica foi de 29,2%. A oferta de assentos, por sua vez, cresceu 15,31% em julho.

"Havia feito uma projeção no início de 2007 de que a Gol ia ultrapassar a TAM no último trimestre daquele ano. Mas a Gol comprou a Varig e mudou o foco. Com a saída da empresa da Europa, México e as dificuldades na América do Sul, ela voltou a se concentrar no doméstico. Acendeu a luz vermelha na TAM", diz o consultor aeronáutico Paulo Bittencourt Sampaio. Segundo ele, os altos preços das passagens da TAM e o serviço similar ao da Gol também pesam.

"Nosso objetivo não é, e nunca foi, a busca pelo market share (participação de mercado).

Acredito que nosso crescimento se deve ao foco na melhoria das operações, que efetivamente vem acontecendo. Quanto ao market share propriamente dito, esse é um acontecimento sazonal e que depende muito do perfil dos usuários em cada mês. Em julho, esse perfil talvez nos tenha sido favorável", diz o vice-presidente de Marketing e Serviços da Gol, Tarcísio Gargioni. Procurada, a TAM não se pronunciou sobre o assunto.

No mercado internacional, a TAM segue na liderança no transporte de passageiros entre as companhias brasileiras, com participação de 88,29%, sendo que detinha 72,51% desse mercado em julho de 2008. A Gol/Varig, por sua vez, teve 11,57%, mas sua participação era de 27,10% no mesmo período do ano passado. Na média, o desempenho no exterior recuou 10,15% em julho, com aumento de 1,22% na oferta de assentos. A demanda da TAM cresceu 9,40% e a oferta de assentos teve alta de 19,87%.

A Gol/Varig teve redução de 61,55% no fluxo de passageiros para o mercado internacional e recuo de 43% na oferta de assentos. "A retração da Gol/Varig no mercado internacional foi causada pelas dificuldades que encontrou na América do Sul, por causa da gripe suína. Além disso, a empresa tem observado dificuldades para competir com as empresas que operam na região, que oferecem serviço melhor", afirma Sampaio.

O fato de a TAM ter registrado aumento de oferta duas vezes superior ao da demanda no mercado internacional, segundo Sampaio, vai custar à empresa a devolução de alguns aviões que operam em voos de longo curso. "A TAM contratou uma consultoria para devolver três aviões da Boeing, modelo 767, para terceiros", diz Sampaio.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Embraer e Japan Airlines estendem programa de peças de reposição da frota de E-Jets

Aviação russa fará voo de observação sobre os EUA