Passageiros de 1ª viagem

Companhias aéreas aumentam número de assentos com preço promocional para atrair clientes que nunca viajaram de avião. Guerra de tarifas promete se alastrar pelos ares

Geórgea Choucair* e Zulmira Furbino – Estado de Minas

A pequena Antônia, de apenas 1 ano, e o irmão João Vitor, de 3, não esconderam a felicidade e não economizaram na pose para fotos, ontem, na estreia na primeira viagem de avião. “Eles estão achando o máximo”, comemorou o pai, o analista de sistemas Erton Silva. As crianças foram pela primeira vez com os pais visitar a avó, no Rio Grande do Sul. O preço promocional da passagem aérea foi decisivo para a viagem. O bilhete de Belo Horizonte (Confins) a Porto Alegre (RS) foi comprado por R$ 69 por trecho (fora a taxa de embarque), em uma promoção de voo lançada pela novata Azul Linhas Aéreas, em julho deste ano. Em outras companhias, diz Silva, o valor médio do trecho é de cerca de R$ 400. A Azul começou a operação em Confins ontem, com o objetivo de oferecer preços competitivos e alta taxa de ocupação.

O passageiro do transporte rodoviário que nunca viajou de avião está entre os principais alvos das companhias aéreas. Para conquistar essa nova clientela, uma verdadeira guerra de tarifas promete se alastrar pelos ares. “A nossa missão é popularizar o transporte aéreo. Queremos colocar a bordo o passageiro do transporte rodoviário que nunca viajou de avião”, afirma Gianfranco Beting, diretor de marketing da Azul.

É acirrada a competição, especialmente quando o foco são trajetos nobres, que contam com demanda garantida. Pesquisa realizada ontem no site da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) mostra que a relevância da diferença de preços entre passagens aéreas e de ônibus é cada vez menor.

Ontem, o preço do bilhete de saída cobrado pela Azul para o trecho Belo Horizonte-Rio de Janeiro – viagem de 40 minutos de duração – era de R$ 109. O mesmo trajeto num ônibus executivo partindo da rodoviária de BH sai por, no mínimo, R$ 84,56, mas o passageiro leva 6 horas e meia para chegar à Cidade Maravilhosa. Caso a opção seja leito, o valor sobe para R$ 148, R$ 39 mais caro do que a passagem aérea. Se a viagem for entre a capital mineira e Campinas, a vantagem da promoção da companhia aérea é ainda mais evidente. São R$ 119 pela passagem de avião BH-Campinas. Uma viagem de ônibus comum para a cidade do interior paulista sai a, no mínimo, R$ 84,97. Detalhe: são nove horas de viagem.

O transporte rodoviário se movimenta para não perder a clientela. Para concorrer com a guerra de preços das companhias de aviação, as empresas de ônibus interestaduais lançaram promoções para compra com antecedência, descontos na compra do par de bilhetes (ida e volta) e já preparam serviços de milhagem. Na legislação, essas empresas também vão ter que seguir as mesmas regras de seus concorrentes de asas. O diretor administrativo da empresa de transporte de passageiros Gontijo, Luiz Carlos Gontijo, não teme a competição. “Isso é uma realidade, mas acredito que as empresas de transporte rodoviário terrestre estão preparadas para enfrentar a concorrência”, sustenta.

Na avaliação do presidente-executivo da Azul, Pedro Janot, o número de usuários do transporte aéreo no Brasil ainda é baixo, quando comparado com outros países. “Nos Estados Unidos, cada pessoa faz, em média, quatro voos por ano. No Brasil, a média é de um voo por passageiro a cada quatro anos”, diz.

* A jornalista viajou a convite da Azul Linhas Aéreas

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás