Odebrecht fecha venda de sua fatia no aeroporto do Galeão para grupo chinês HNA

Odebrecht tinha 31% da concessionária que venceu o leilão para administrar o Galeão em 2013; grupo chinês HNA também é acionista da companhia aérea Azul.


Por Marina Gazzoni | G1

A Odebrecht Transport, divisão de investimentos em mobilidade do grupo Odebrecht, anunciou nesta quinta-feira (13) que fechou a venda de sua participação na concessionária que administra o aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, para o grupo chinês HNA Infrastructure.

Galeão foi privatizado em novembro de 2013; Odebrecht liderava consórcio vencedor do leilão (Foto: Alexandre Macieira/Riotur )
Galeão foi privatizado em novembro de 2013; Odebrecht liderava consórcio vencedor do leilão (Foto: Alexandre Macieira/Riotur )

A HNA também é o maior acionista da Azul Linhas Aéreas. Além da Azul, o grupo também é dono da Swiss Airport, da Dufry e da companhia aérea chinesa HNA, apenas no segmento de aviação.

Em comunicado, a Odebrecht Transport ressaltou que a venda "integra o plano estratégico de reestruturação da empresa que segue reavaliando a sua permanência parcial ou não nos ativos". “As decisões consideram a combinação de inúmeros aspectos e cenários, externos e internos”, explica a presidente da Odebrecht Transport, Juliana Baiardi.

Segundo fontes próximas a negociação, a fatia da Odebrecht saiu por cerca de R$ 60 milhões. O dinheiro reforçará o caixa da Odebrecht Transport.

Leilão em 2013

O consórcio Rio Galeão, liderado pela Odebrecht, venceu o leilão em novembro de 2013 e arrematou a concessão do aeroporto do Rio de Janeiro. A Odebrecht detinha uma participação de 31% na concessionária, que também tinha como sócia a operadora de aeroportos Changi, de Cingapura (20%) e a Infraero (49%).

De acordo com a Odebrecht Transport, a venda ainda precisa ser aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para se concretizar.

Venda de ativos

O grupo Odebrecht anunciou que pretende vender R$ 12 bilhões em ativos. As vendas serão feitas para reduzir o endividamento do grupo e melhorar seu equilíbrio financeiro.

Os negócios da Odebrecht foram afetados pela Operação Lava Jato. A companhia depende de financiamento para tocar seus projetos, mas o crédito ficou mais caro após ter seu nome envolvido em denúncias de corrupção. Para sobreviver, a empresa entendeu que precisa encolher.

Além da venda de ativos, a companhia aposta na adoção de medidas de compliance para "virar a página".


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás