Família Guinle vai à Justiça para retomar área de Cumbica

Do UOL, em São Paulo

Cinco herdeiros da família Guinle entraram com um pedido na Justiça para a devolução do terreno onde fica o Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica), na grande São Paulo.

O terreno de 9,7 milhões de metros quadrados foi doado pela família à União em 1940, durante a 2ª Guerra Mundial. Na época, o governo brasileiro teria ficado preocupado com eventuais bombardeios contra indústrias de São Paulo.

A ação na Justiça ameaça a maior concessão de um aeroporto no país. Guarulhos foi adquirido por R$ 16,2 bilhões em fevereiro de 2012.

Os cinco remanescentes da tradicional família Guinle, que foi dona do Copacabana Palace e era uma das mais ricas do país, afirmam que o governo feriu os termos da doação pública que a família fez ao conceder a área do aeroporto a empresas comerciais.

"Com a doação, as famílias visavam oferecer um benefício à sociedade brasileira permitindo que, na área doada, fosse construído um aeródromo militar sob a jurisdição do então Ministério da Guerra. A intenção era a de ampliar e reforçar o sistema de defesa brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial", conta Fabio Goldschmidt, sócio-diretor na Andrade Maia Advogados, escritório contratado para defender os direitos dos herdeiros.

Os herdeiros (José Eduardo Guinle, Luiz Eduardo Guinle, Octávio Eduardo Guinle, Georgiana Salles Pinto Guinle e Gabriel Guinle) esperam receber cerca de R$ 5 bilhões de indenização do governo.

A notificação é dirigida à União, à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), à concessionária privada responsável pela gestão do Aeroporto Internacional de São Paulo, e, individualmente, às empresas que compõem a concessionária (Infraero, Invepar e Airports Company South Africa).

Com Valor
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Embraer e Japan Airlines estendem programa de peças de reposição da frota de E-Jets

Aviação russa fará voo de observação sobre os EUA