Guarulhos terá disputa acirrada em free shop

Invepar analisa proposta de três grupos estrangeiros. Lance inicial deve chegar a R$ 90 milhões 

O Globo
SÃO PAULO - Na esteira das concessões dos aeroportos brasileiros, grandes grupos internacionais buscam explorar o rentável negócio de varejo de viagem, os chamados free shops. Depois de Viracopos, em Campinas, Hercílio Luz, em Florianópolis, e do Val de Cans, em Belém, chegou a vez de Cumbica, como é conhecido o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, o maior do país.

Para se ter uma ideia do tamanho da disputa, só a briga pela área de 300 metros quadrados leiloada pela Aeroportos Brasil, que administra Viracopos, em Campinas, fez o valor da concessão aumentar em dez vezes, de US$ 237 mil para US$ 2,432 milhões.

Cumbica terá mais uma área de 6 mil metros quadrados destinada ao free shop. Segundo fontes que acompanham as negociações, o espaço será alvo de disputa acirrada, com lance inicial em torno de R$ 90 milhões, mas que pode chegar a R$ 200 milhões dependendo do apetite dos concorrentes. Com a construção do terceiro terminal, que deve ser entregue em maio de 2014, a capacidade do aeroporto deve passar de 32,8 milhões de passageiros para 45 milhões de passageiros/ano.

WDFG promete proposta "agressiva"

A Invepar, que administra Cumbica desde fevereiro, analisa ao menos três propostas: a da espanhola World Duty Free Group (WDFG), a da suíça Dufry e a do grupo Flemingo, dos Emirados Árabes. A decisão deve sair até o fim do mês. A Dufry, que lidera o varejo brasileiro de viagem e opera em 15 aeroportos do país, leva vantagem pela experiência local. Recentemente, renovou o contrato até 2016 para operar o free shop no Terminal 2 de Cumbica. E, no início do mês, saiu vencedora numa disputa com a WDFG e a Flemingo para administrar duas lojas nas áreas de embarque e desembarque de Viracopos.

Mesmo assim, os espanhóis prometem disputas acirradas para Cumbica, Confins, em Belo Horizonte (MG), e Galeão, no Rio.

- Na Alemanha vencemos uma concorrência contra uma empresa que estava há 30 anos no aeroporto - lembrou Aurora Rato, executiva da WDFG, que promete "agressividade" nas propostas.

Para a empresa, Cumbica é peça-chave na expansão no mercado brasileiro, que movimenta cerca de R$ 1,8 bilhão ao ano. Se sair vencedora, o aeroporto brasileiro será a segunda maior operação da companhia, atrás apenas do aeroporto de Heathrow, em Londres. Com faturamento de mais de R$ 5,9 bilhões no ano passado, a WDFG administra 565 free shops. A empresa tem mais de 8,5 mil funcionários e promete chegar ao país com empregados poliglotas, mais marcas à disposição dos clientes, além de preços mais acessíveis.

Procurada, a Dufry alegou que está em período de silêncio (a empresa divulga resultados no fim do mês). Em novembro, o presidente da companhia suíça no Brasil, Humberto Mota, disse que as obras de ampliação do espaço do atual free shop em 2.100 metros quadrados demandariam investimentos de R$ 40 milhões, e que seriam feitos em conjunto com a operadora do aeroporto. A inauguração está prevista para este semestre.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás