Hipótese de ataque terrorista é mais forte que falha técnica, diz Egito

Voo MS804 foi detectado pela última vez ao passar pelo Mediterrâneo.
Aeronave saiu de Paris em direção ao Cairo.


Do G1, em São Paulo

O ministro egípcio da Aviação Civil, Sherif Fathi, disse nesta quinta-feira (19) que a possibilidade de um ataque terrorista ter sido a causa do desaparecimento do Airbus A320 da EgyptAir é "mais forte" do que a de falha técnica, segundo a Associated Press. A aeronave levava 66 pessoas de Paris para o Cairo.


Foto feita no início deste mês em Budapeste, Hungria, mostra o avião Airbus A 320-200 da EgyptAir que desapareceu dos radares durante o voo MS804 nesta sexta-feira (19) (Foto: Andras Soos/AFP)
Foto feita no início deste mês em Budapeste, Hungria, mostra o avião Airbus A 320-200 da EgyptAir que desapareceu dos radares durante o voo MS804 nesta sexta-feira (19) (Foto: Andras Soos/AFP)

O ministro disse que, no entanto, é cedo para tirar conclusões sobre a causa desaparecimento do avião. A EgyptAir divulgou nota negando que a causa do problema tenha sido confirmada. O presidente francês, François Hollande, afirmou que "nenhuma hipótese pode ser descartada nem qualquer uma pode ser colocada acima de outra."

Na tarde desta quinta-feira, a companhia EgyptAir publicou no Twitter que recebeu informação, do Ministério de Relações Exteriores do Egito, de que os destroços foram encontrados perto da ilha de Karpathos (veja mais informações neste link). Segundo a EgyptAir, os familiares dos passageiros e da tripulação já foram avisados.

RESUMO ATÉ AGORA


- Caiu o voo MS804 da EgyptAir, que ia de Paris ao Cairo;
- Airbus levava 56 passageiros e 10 tripulantes; nenhum é brasileiro;
- Último registro do avião foi sobre o mar Mediterrâneo, onde mudou a rota subitamente;
- Grécia encontrou destroços de uma aeronave no mar; não se sabe se são do Airbus.

O voo MS804 partiu do aeroporto Charles de Gaulle nesta quarta às 23h09 (18h09 em Brasília) e deveria pousar cinco horas depois no Aeroporto Internacional do Cairo, na madrugada desta quinta (19) às 3h15 (horário de Paris e do Cairo). Os radares perderam o contato quando o avião passava pelo Mediterrâneo.


Arte avião EgyptAir VALE ESTE (Foto: Arte G1)

O departamento de Defesa da Grécia busca destroços da aeronave no Mediterrâneo com a ajuda de barcos e aviões. De acordo com a Reuters, dois objetos já foram localizados ao sul da ilha grega de Creta. Ainda é cedo, no entanto, para confirmar se pertencem ao Airbus.

O ministro da defesa grego informou que a aeronave estava a 37 mil pés (11.300 metros) e mudou subitamente de rota, de acordo com a Reuters. "Às 3h39 da manhã (2h39 no horário de Paris e do Cairo) o curso da aeronave era sul e sudeste de Kassos e Karpathos (ilhas). Imediatamente depois entrou no espaço aéreo do Cairo, fez guinadas e desceu como descrevo: 90 graus para a esquerda e 360 graus para a direita", disse o ministro Panos Kammenos em entrevista coletiva, segundo a Reuters.

Após mudar de rota, o avião reduziu a altitude de 37 mil a 15 mil pés (4,5 mil metros). Quando o Airbus estava a cerca de 10 mil pés (cerca de 3 mil metros) acima do nível do mar, o contato foi perdido, especificou a AFP.

Segundo a "CNN", o avião já estava no espaço aéreo egípcio. As condições do tempo eram boas, segundo o meteorologista da rede americana.

O último contato do piloto ocorreu com a torre de controle de Atenas, na Grécia, 10 minutos antes do desaparecimento.

A MarineTraffic divulgou a projeção do ponto onde o avião foi localizado pela última vez por radares sobre Mediterrâneo.

Passageiros e tripulação


A aeronave modelo Airbus A320 transportava 56 passageiros (entre eles, uma criança e dois adolescentes) e 10 tripulantes (entre eles, três seguranças), de acordo com a companhia aérea.

Segundo a EgyptAir, o voo transportava 30 egípcios, 15 franceses, além de dois iraquianos, um britânico, um belga, um kuwaitiano, um saudita, um sudanês, um chadiano, um português, um argelino e um canadense. Nenhum brasileiro estava a bordo.

Familiares de passageiros estão no aeroporto do Cairo à espera de notícias de seus parentes.

A companhia aérea informou também que o piloto do avião, cujo nome não foi divulgado ainda, tinha 6.275 horas de voo, incluindo 2.101 horas no comando de um Airbus A320. O copiloto tinha 2.766 horas de voo. A aeronave foi produzida em 2003.

Destroços


Uma fragata grega em busca do avião desaparecido da EgyptAir encontrou dois grandes objetos flutuando em uma região do mar a 230 milhas (370 km) ao sul da ilha de Creta nesta quinta, disseram fontes da Defesa da Grécia. Os dois objetos parecem ser peças de plástico nas cores vermelho e branco.

Pouco depois, TV disse que autoridades gregas encontraram peças que podem ser do avião.

O Ministério da Defesa disse que autoridades também investigam o alerta de um capitão de um navio mercante que relatou ter visto uma "chama no céu" cerca de 130 milhas náuticas ao sul da ilha de Karpatos.

A EgyptAir informou que equipes de investigação e de resgate iniciaram a busca pelo avião desaparecido e que mantém contato com autoridades.
Outros casos
 

Em março deste ano, um avião da EgyptAir, que voava de Alexandria para o Cairo, foi sequestrado e forçado a aterrissar no Chipre. O homem que desviou a rota carregava um cinturão com explosivos falsos e acabou preso. Não ficou claro, porém, se o caso era um ato terrorista.

Um Airbus A-321 operado pela Metrojet, da Rússia, caiu no Sinai em 31 de outubro de 2015, matando todas as 224 pessoas a bordo. Russos e governos ocidentais disseram que o avião foi derrubado por uma bomba. O Estado Islâmico (EI) afirmou ter conseguido explodir a aeronave.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Aviação russa fará voo de observação sobre os EUA

Avião russo com 92 pessoas a bordo cai no mar Negro