Especialistas cobram infraestrutura para aviação

Jornal do Senado

Especialistas ligados a empresas e instituições públicas destacaram ontem, na Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI), a importância do investimento para o crescimento da aviação regional.

Lançado pela presidente Dilma Rousseff em dezembro de 2012, o Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos prevê a aplicação de R$ 7,3 bilhões para fortalecimento e ampliação da aviação regional. Na primeira fase, serão beneficiados 270 aeroportos regionais.

Para Victor Celestino, diretor da Azul, não é só a falta de infraestrutura aeroportuária que dificulta a ampliação dos serviços: a limitação da infraestrutura rodoviária, a inexistência de transporte ferroviário e o custo da utilização do automóvel encarecem as viagens dos passageiros e restringem a demanda.

Celestino destacou que todos os 105 aeroportos nos quais a Azul opera -necessitam de investimento, seja para aumento da capacidade, seja por questões regulatórias.

Wagner William de Souza Moraes, superintendente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), explicou que a falta de infraestrutura pode gerar riscos. Ele citou a pavimentação das pistas, a instalação de cerca patrimonial para evitar acesso e a proteção do entorno do aeroporto como requisitos essenciais para a segurança nas operações.

Representando o ministro da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República, Moreira Franco, o assessor Mario Rodrigues informou que o Programa de Investimentos em Logística vai adequar 67 aeroportos do Norte, 64 do Nordeste, 65 no Centro-Oeste e 43 no Sul. Entre as mudanças realizadas, Mario Rodrigues destacou a implantação de novas pistas nos aeroportos e a reforma e ampliação das já existentes.

O representante do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), Henrique Rubens de Oliveira, afirmou que a presença de aves na proximidade dos aeroportos é um importante fator de risco de acidentes. Grande parte dos municípios lançam resíduos em lixões que atraem os animais em busca de alimentos. Segundo ele, as aves já causaram vários acidentes e colocam em risco o tráfego aéreo, principalmente na aviação regional, que conta com aeronaves menores e, portanto, menos resistentes à colisão com animais.

O representante do Cenipa observou que o problema deve ser levado em consideração no planejamento da ampliação dos aeroportos.

— Com o aumento de tráfego aéreo, a expectativa é de que o risco de fauna irá aumentar e em aeródromos regionais também. Estamos abrindo novas rotas aéreas, isso é importante para o país, mas temos que tomar as medidas cautelares necessárias — destacou Oliveira.

O painel sobre aviação regional faz parte do ciclo Aviação Civil — gerenciamento, modernização, ampliação e principais óbices.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás