Pular para o conteúdo principal

"Caiu e agora?"

Governo escondeu por 48 horas a verdade sobre o acidente com o Boeing da Gol. Enquanto o País acreditava que o avião estava desaparecido,cúpula da Aeronáutica já conhecia seu paradeiro e sabia que todos a bordo estavam mortos

Por Rodrigo Rangel - IstoÉ

O Boeing 737-800 tinha caído há poucas horas sobre a selva. Destroçadas, as turbinas mal tinham esfriado. Enquanto o País esperava por notícias sobre o vôo Gol 1907, cinco homens do Para-Sar, o esquadrão de elite da Aeronáutica, desciam de rapel no local da queda.

Ainda naquela sexta-feira 29 de setembro, o grupo de militares fez chegar a Brasília a descrição do cenário aterrador. Na cúpula da Aeronáutica, da Infraero e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), não havia dúvida de que os 154 ocupantes do Boeing estavam mortos.

Mas os familiares ainda passaram dois dias alimentando esperanças: a comunicação oficial de que não havia sobreviventes veio só no domingo 1º de outubro. Os homens do Para-Sar passaram aquela primeira noite após o acidente junto aos corpos, numa operação que até aqui vinha sendo mantida em segredo. A revelação a ISTOÉ é do presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira.

ISTOÉ – A tragédia deixou lições?
José Carlos Pereira – O acidente da Gol serviu para mostrar que a reação imediata é sempre difícil, que é preciso manter as pessoas treinadas para fazer frente à emergência e lidar com emoções humanas desencontradas. Naquele dia, eu estava em casa quando o supervisor me ligou. De imediato, saí para o aeroporto. No caminho, telefonei para a Aeronáutica. Me disseram: “Não é só isso: acabou de pousar em Cachimbo um avião avariado. Houve uma colisão em vôo.” Liguei de novo e falei: “Confirma se esse avião não está em nenhum aeroporto e se não falou com ninguém.” A resposta foi não. Naquela hora eu disse: “Todos estão mortos.” Quando cheguei ao aeroporto, fui para o desembarque. As pessoas ainda estavam lá esperando o 1907. O vôo constava como atrasado no painel. As pessoas reclamavam do atraso: “É assim mesmo, uma esculhambação.” Depois fui para o centro de controle. Ok, caiu. E agora? Está tudo planificado. Em caso de acidente, o que fazer? Chama médico, chama psicólogo, prepara as ambulâncias. Isso está tudo escrito, mas na hora...

ISTOÉ – Nós temos a informação de que a Aeronáutica, no mesmo dia do acidente, desceu uma equipe do Para-Sar no local da queda.
José Carlos – Sim, o local do acidente estava marcado. Foi visto no radar onde o avião desapareceu. A busca foi numa área restrita. Os homens desceram de rapel e pernoitaram. Passaram a noite lá, junto (dos corpos), numa operação extremamente complicada.

ISTOÉ – Quantos homens?
José Carlos – A primeira equipe que pernoitou, se não me engano, era de cinco homens.

ISTOÉ – Horas depois do acidente?

José Carlos – Sim. Já tinha gente tomando conta dos corpos. Numa região de selva dessas, animais atacam. Então, o pessoal ficou ali mais para proteger.

ISTOÉ – Por que, então, tanta demora em confirmar a tragédia?
José Carlos
– Eu acompanhei isso de perto. É difícil dar a primeira notícia às pessoas. Você tem de ter certeza. A abordagem é muito difícil. Duas pessoas no acidente é uma coisa, 154 é outra. Mas eu acho que nós precisamos, realmente, no futuro, fazer uma avaliação disso.

ISTOÉ – Então quer dizer que, desde o princípio, não havia dúvida de que não havia sobreviventes.
José Carlos
– Eu não tinha. Mas eu possuía informação privilegiada. Realmente, houve demora em se confirmar isso, embora não fosse só da Infraero essa obrigação. Tinha que ser numa ação conjunta, com a Aeronáutica, com a Anac, como foi feito. Eu admito que houve um retardo ali.

ISTOÉ – O acidente jogou luz sobre os problemas da aviação no Brasil. Ascríticas são exacerbadas?
José Carlos
– O problema existe, não se pode negar, principalmente no controle de tráfego. E esse problema é essencialmente falta de pessoal. Nós temos 370 jatos executivos no País, 700 turboélices, dez mil aviões de pequeno porte, sem falar na aviação comercial como um todo e na aviação militar. É uma massa gigantesca de aeronaves. E não adianta dizer que o Brasil é grande, que cabe. Não cabe, não. Todos os aviões vão para o aeroporto. E, se não houver um controle eficiente, eles baterão, todos, em cima dos aeroportos. O problema existiu e existe. A emergência foi corrigida, há outras medidas em curso que surtirão efeito, mas as soluções definitivas vão levar mais tempo, talvez até março.

ISTOÉ – Por que ninguém previu que faltariam controladores?
José Carlos
– Todo o controle do espaço aéreo é da Aeronáutica. A Infraero tem controladores, mas só nas torres. Houve realmente falha de planejamento na preparação dos controladores. Ficaram no limite. Faltou banco.

ISTOÉ – E os aeroportos, estão em condições plenas?
José Carlos
– Nossa demanda aumenta em 20% ao ano no caso dos vôos de passageiros, 11% na carga internacional, 5% na carga nacional. Com PIB crescendo de 3% a 5% e a demanda aérea crescendo a 20%, a equação fica difícil de fechar. Hoje nós reformamos ou construímos um aeroporto sabendo que três, quatro, cinco anos depois ele vai estar saturado. Mas o Estado não tem recursos suficientes.

ISTOÉ – E quem planeja viajar neste fim de ano pode arrumar as malas ou o caos nos aeroportos tende a piorar com o aumento da demanda nas férias?
José Carlos
– Diante de uma situação como essa, de atrasos maciços, o ambiente complicou. Nós esperamos que no Natal, no Ano-Novo, a situação já esteja normalizada. Nós, da Infraero, estamos preparando uma força-tarefa que dê uma assistência especial nessa época, entre a última quinzena de dezembro e a primeira de janeiro. Não tenha dúvida de que uma alta demanda sempre cria algum tipo de problema, mas eu estou otimista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Avião da TAM retorna após decolagem

Jornal do Commercio SÃO PAULO – Um avião da TAM, que partiu de Nova Iorque em direção a São Paulo na noite de anteontem, teve que retornar ao aeroporto de origem devido a uma falha. Segundo a TAM, o voo JJ 8081, com 196 passageiros a bordo, teve que voltar para Nova Iorque devido a uma indicação, no painel, de mau funcionamento de um dos flaps (comandos localizados nas asas) da aeronave.De acordo com a TAM, o avião passou por manutenção corretiva e o voo foi retomado à 1h28 de ontem, com pouso normal em Guarulhos (SP) às 10h38 (horário de Brasília). O voo era previsto para chegar às 6h45. A companhia também informou que seu sistema de check-in nos aeroportos ficou fora do ar na manhã de ontem, provocando atrasos em 40% dos voos. O problema foi corrigido.

STJ define foro de ação contra Varig

Zínia Baeta, de São Paulo

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, pela primeira vez, que cabe à Justiça do Trabalho julgar um processo de uma ex-funcionária da antiga Varig que pede no Judiciário o pagamento de verbas trabalhistas - como salário, férias e FGTS - ao grupo econômico do qual faz parte a companhia aérea Gol. Até então, em conflitos de competência similares, o STJ vinha entendendo que esses casos deveriam ser remetidos à Justiça estadual - no caso, a 1ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, responsável pela recuperação judicial da velha Varig. Apesar de o STJ não entrar na discussão sobre a responsabilidade da Gol pelas dívidas trabalhistas da Varig, comprada por ela em 2007, a decisão é apontada como um importante precedente por advogados trabalhistas, pois o entendimento poderia, de alguma forma, influenciar o Supremo Tribunal Federal (STF), que também está para julgar um conflito de competência envolvendo uma ex-funcionária da antiga Varig.

Em março de 2007, a Gol com…

Embraer E190 domina os ventos da ilha de Santa Helena (video)

Sucesso da missão da aeronave foi referido por representante da Sua Majestade como um dos aparelhos mais adequados para pousar na ilha
Junio Oliveira | Jornal do Ar

Santa Helena é uma pacata ilha situada no meio do Atlântico Sul. Considerado um dos lugares mais remotos do planeta, a mais de 2.000 quilômetros de qualquer outro pedaço de terra, antigamente, chegar a Santa Helena só era possível de barco, que, geralmente, poderia durar cinco dias a partir da Cidade do Cabo, na África do Sul.


Para reduzir o tempo de viagem, a ilha que é território britânico, recebeu um fundo de aproximadamente 800 milhões de reais (£202 milhões de libras) para a construção de um aeroporto. As obras iniciaram-se em 2010 e terminaram no inicio de 2016. Mas problemas com windshear, um fenômeno muito conhecido e temido na aviação, está a tirar o sono do governo da ilha.

Apesar das aeronaves modernas detectarem o windshear a distância, o aeroporto foi construído a pensar nos jatos A320 e Boeing 737, mas operar nes…