Pular para o conteúdo principal

Japão obrigará pilotos de avião a fazerem testes de consumo de álcool

Decisão foi adotada após uma série de voos atrasados porque equipe estava alcoolizada ou não recuperada após noitada. Limite será de 0,09 mg de álcool por litro de sangue, menor do que o autorizado a motoristas.


France Presse

As companhias aéreas japonesas deverão submeter os seus pilotos de linha a controles de consumo de álcool, anunciaram as autoridades nesta quarta-feira (19), uma decisão adotada após uma série de voos atrasados porque a equipe estava alcoolizada ou ainda não recuperada de uma noitada.

Avião da Japan Airlines em aeroporto no Japão — Foto: cegoh/Creative Commons
Avião da Japan Airlines em aeroporto no Japão — Foto: cegoh/Creative Commons

Um comitê do Ministério dos Transportes do país decidiu impor estes testes às companhias aéreas e fixou o limite autorizado em 0,09 mg de álcool por litro de sangue. Para os automobilistas, limite atualmente é de 0,15 mg/l.

No mês passado, um copiloto da companhia Japan Airlines (JAL) foi detido em Londres pouco antes da decolagem do seu avião com um nível de álcool no sangue 10 vezes maior do que o limite legal.

De acordo com os regulamentos japoneses em vigor, os tripulantes dos aviões estão proibidos de consumir álcool durante as oito horas anteriores a assumir o seu posto, mas não há limite estabelecido legalmente e os testes de alcoolemia não são obrigatórios.

No caso da JAL, o copiloto havia realizado um primeiro teste de alcoolemia antes de ir para o aeroporto, que acabou sendo negativo.

Mais tarde, porém, levantou suspeitas do motorista de ônibus que o levou ao seu avião no aeroporto de Heathrow. O copiloto foi detido pela polícia depois de um teste de alcoolemia e um exame de sangue.

O homem reconheceu ter consumido duas garrafas de vinho e mais de 1,8 litro de cerveja seis horas antes do voo.

"Estamos convencidos de que (o primeiro teste) não foi realizado corretamente", disse Muneaki Kitahara, diretor de comunicação da JAL em uma coletiva de imprensa.

No final de outubro, a empresa All Nippon Airways explicou que um de seus pilotos declarou estar doente depois de uma noite de bebedeira na ilha de Ishigaki, na província de Okinawa (sul do Japão). Esta baixa de última hora causou atrasos em cinco voos regionais saídose Okinawa e 619 passageiros foram afetados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Avião da TAM retorna após decolagem

Jornal do Commercio SÃO PAULO – Um avião da TAM, que partiu de Nova Iorque em direção a São Paulo na noite de anteontem, teve que retornar ao aeroporto de origem devido a uma falha. Segundo a TAM, o voo JJ 8081, com 196 passageiros a bordo, teve que voltar para Nova Iorque devido a uma indicação, no painel, de mau funcionamento de um dos flaps (comandos localizados nas asas) da aeronave.De acordo com a TAM, o avião passou por manutenção corretiva e o voo foi retomado à 1h28 de ontem, com pouso normal em Guarulhos (SP) às 10h38 (horário de Brasília). O voo era previsto para chegar às 6h45. A companhia também informou que seu sistema de check-in nos aeroportos ficou fora do ar na manhã de ontem, provocando atrasos em 40% dos voos. O problema foi corrigido.

STJ define foro de ação contra Varig

Zínia Baeta, de São Paulo

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, pela primeira vez, que cabe à Justiça do Trabalho julgar um processo de uma ex-funcionária da antiga Varig que pede no Judiciário o pagamento de verbas trabalhistas - como salário, férias e FGTS - ao grupo econômico do qual faz parte a companhia aérea Gol. Até então, em conflitos de competência similares, o STJ vinha entendendo que esses casos deveriam ser remetidos à Justiça estadual - no caso, a 1ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, responsável pela recuperação judicial da velha Varig. Apesar de o STJ não entrar na discussão sobre a responsabilidade da Gol pelas dívidas trabalhistas da Varig, comprada por ela em 2007, a decisão é apontada como um importante precedente por advogados trabalhistas, pois o entendimento poderia, de alguma forma, influenciar o Supremo Tribunal Federal (STF), que também está para julgar um conflito de competência envolvendo uma ex-funcionária da antiga Varig.

Em março de 2007, a Gol com…

Embraer E190 domina os ventos da ilha de Santa Helena (video)

Sucesso da missão da aeronave foi referido por representante da Sua Majestade como um dos aparelhos mais adequados para pousar na ilha
Junio Oliveira | Jornal do Ar

Santa Helena é uma pacata ilha situada no meio do Atlântico Sul. Considerado um dos lugares mais remotos do planeta, a mais de 2.000 quilômetros de qualquer outro pedaço de terra, antigamente, chegar a Santa Helena só era possível de barco, que, geralmente, poderia durar cinco dias a partir da Cidade do Cabo, na África do Sul.


Para reduzir o tempo de viagem, a ilha que é território britânico, recebeu um fundo de aproximadamente 800 milhões de reais (£202 milhões de libras) para a construção de um aeroporto. As obras iniciaram-se em 2010 e terminaram no inicio de 2016. Mas problemas com windshear, um fenômeno muito conhecido e temido na aviação, está a tirar o sono do governo da ilha.

Apesar das aeronaves modernas detectarem o windshear a distância, o aeroporto foi construído a pensar nos jatos A320 e Boeing 737, mas operar nes…