Pular para o conteúdo principal

Após 14 dias de sobrevoo, FAB suspende buscas por avião desaparecido com indígenas na Floresta Amazônica

Procura foi suspensa nesta segunda-feira (17), informou a Força Aérea Brasileira.


Por Rita Torrinha | G1 AP — Macapá

A Força Aérea Brasileira (FAB) informou, na tarde desta segunda-feira (17), que suspendeu as buscas pelo avião desaparecido com indígenas na Floresta Amazônica, no dia 2 de dezembro. O Exército Brasileiro também cancelou as buscas, argumentando não ter suporte de aeronaves para cobrir uma área tão extensa.

FAB anunciou suspensão após 14 dias de buscas sobrevoando a Floresta Amazônica — Foto: Força Aérea Brasileira/Divulgação
FAB anunciou suspensão após 14 dias de buscas sobrevoando a Floresta Amazônica — Foto: Força Aérea Brasileira/Divulgação

Em nota, a FAB detalhou que nos 14 dias de procura foram realizadas 128 horas de voo com as aeronaves SC-105 Amazonas SAR, C-130 Hércules e o helicóptero H-60 Black Hawk. A busca agora está limitada a um grupo de índios e garimpeiros, por terra.

Ainda segundo a FAB, as equipes sobrevoaram uma área de 12.550 km², o equivalente a cerca de 12 mil campos de futebol.

“No total, os aviões envolvidos nas buscas percorreram a distância em linha reta de mais de 20 mil quilômetros, o que se aproxima a uma viagem entre São Paulo e Tóquio não sendo encontrado nem um vestígio do avião”, diz trecho da nota.

A aeronave desapareceu entre a aldeia Mataware, no Parque do Tumucumaque, e o município de Laranjal do Jari, no Oeste do Amapá. Segundo a Força Aérea Brasileira, as aeronaves cumpriram padrões internacionais de busca, mas a mata fechada e região montanhosa são fatores que dificultaram a observação pelas equipes.

Um total de 60 militares estiveram envolvidos nas buscas, que foi coordenada pelo Centro de Coordenação de Busca e Salvamento de Manaus (Salvaero). A unidade operacional do Quarto Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta IV) é responsável pela coordenação das missões de busca a aeronaves e embarcações na região Norte do país.

Desaparecimento

O avião monomotor, de prefixo PT-RDZ, transportava sete pessoas de uma família de índios Tiriyó, além do piloto. A viagem, que partiu no domingo (2 de dezembro) e fez a última comunicação às 12h06, foi contratada pelos indígenas para fazer o trajeto entre a aldeia Matawaré, no Parque do Tumucumaque, e o município amapaense de Laranjal do Jari.



Mata fechada e região montanhosa são fatores que dificultaram as buscas pelas equipes — Foto: Divulgação/Grayton Toledo/Governo do Amapá
Mata fechada e região montanhosa são fatores que dificultaram as buscas pelas equipes — Foto: Divulgação/Grayton Toledo/Governo do Amapá

A região é de difícil acesso e o transporte aéreo é a única forma de se chegar as aldeias. Em função da geografia da região, a maior parte do trajeto é feito em território paraense, pela cidade de Almeirim.

A bordo estava uma família de índios Tiriyó: professor, esposa e três filhos, uma aposentada e o seu genro. Além do piloto, Jeziel Barbosa de Moura, que tem mais de 30 anos de experiência.

De acordo com Kutanan Waiana, da coordenação executiva da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Amapá e Norte do Pará, a contratação de pequenos aviões para transporte entre aldeias é comum na região, com viagens que custam entre R$ 3 mil e R$ 10 mil.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Avião da TAM retorna após decolagem

Jornal do Commercio SÃO PAULO – Um avião da TAM, que partiu de Nova Iorque em direção a São Paulo na noite de anteontem, teve que retornar ao aeroporto de origem devido a uma falha. Segundo a TAM, o voo JJ 8081, com 196 passageiros a bordo, teve que voltar para Nova Iorque devido a uma indicação, no painel, de mau funcionamento de um dos flaps (comandos localizados nas asas) da aeronave.De acordo com a TAM, o avião passou por manutenção corretiva e o voo foi retomado à 1h28 de ontem, com pouso normal em Guarulhos (SP) às 10h38 (horário de Brasília). O voo era previsto para chegar às 6h45. A companhia também informou que seu sistema de check-in nos aeroportos ficou fora do ar na manhã de ontem, provocando atrasos em 40% dos voos. O problema foi corrigido.

STJ define foro de ação contra Varig

Zínia Baeta, de São Paulo

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, pela primeira vez, que cabe à Justiça do Trabalho julgar um processo de uma ex-funcionária da antiga Varig que pede no Judiciário o pagamento de verbas trabalhistas - como salário, férias e FGTS - ao grupo econômico do qual faz parte a companhia aérea Gol. Até então, em conflitos de competência similares, o STJ vinha entendendo que esses casos deveriam ser remetidos à Justiça estadual - no caso, a 1ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, responsável pela recuperação judicial da velha Varig. Apesar de o STJ não entrar na discussão sobre a responsabilidade da Gol pelas dívidas trabalhistas da Varig, comprada por ela em 2007, a decisão é apontada como um importante precedente por advogados trabalhistas, pois o entendimento poderia, de alguma forma, influenciar o Supremo Tribunal Federal (STF), que também está para julgar um conflito de competência envolvendo uma ex-funcionária da antiga Varig.

Em março de 2007, a Gol com…

Embraer E190 domina os ventos da ilha de Santa Helena (video)

Sucesso da missão da aeronave foi referido por representante da Sua Majestade como um dos aparelhos mais adequados para pousar na ilha
Junio Oliveira | Jornal do Ar

Santa Helena é uma pacata ilha situada no meio do Atlântico Sul. Considerado um dos lugares mais remotos do planeta, a mais de 2.000 quilômetros de qualquer outro pedaço de terra, antigamente, chegar a Santa Helena só era possível de barco, que, geralmente, poderia durar cinco dias a partir da Cidade do Cabo, na África do Sul.


Para reduzir o tempo de viagem, a ilha que é território britânico, recebeu um fundo de aproximadamente 800 milhões de reais (£202 milhões de libras) para a construção de um aeroporto. As obras iniciaram-se em 2010 e terminaram no inicio de 2016. Mas problemas com windshear, um fenômeno muito conhecido e temido na aviação, está a tirar o sono do governo da ilha.

Apesar das aeronaves modernas detectarem o windshear a distância, o aeroporto foi construído a pensar nos jatos A320 e Boeing 737, mas operar nes…