Avião da Malásia com 295 pessoas cai na Ucrânia

Governo ucraniano acusa separatistas pró-Moscou de derrubarem a aeronave; não houve sobreviventes. O voo MH-17 ia de Amsterdã para Kuala Lumpur


Veja

Um avião de passageiros da Malaysia Airlines caiu na Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia, com 295 pessoas a bordo, disse a agência russa de notícias Interfax, nesta quinta-feira, citando uma fonte da indústria de aviação. A companhia aérea confirmou que perdeu o contato com o voo MH-17 e informou que a última posição conhecida foi o espaço aéreo ucraniano.O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, classificou o evento como "um ato terrorista".

O avião da Boeing 777 voava de Amsterdã, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia. Uma fonte do Ministério do Interior da Ucrânia afirmou que a aeronave foi abatida por um míssil a uma altitude de 10 000 metros sobre o leste da Ucrânia, região onde separatistas pró-Rússia enfrentam as forças de Kiev. O primeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk ordenou uma investigação sobre a "catástrofe".

A estatal russa de notícias RIA disse que o presidente russo Vladimir Putin está discutindo a queda do avião com Barack Obama. A Casa Branca afirmou que o presidente americano está sendo informado sobre os acontecimentos. O presidente da Ucrânia disse em comunicado que esta é o “terceiro evento trágico nos últimos dias, depois que um avião militar ucraniano An-26 e um Su-25 foram atingidos por disparos a partir do território russo”. “As Forças Armadas ucranianas não tentaram abater alvos no ar”, afirma o texto.

Anton Gheranshenko, assessor do ministro do Interior da Ucrânia, afirmou que o míssil foi lançado por separatistas a partir do solo e disse que todos os 280 passageiros e quinze membros da tripulação morreram. Uma fonte do governo relatou que partes de corpos foram vistas em um raio de 15 metros ao redor do local onde o Boeing caiu. Testemunhas afirmaram ter visto a aeronave pegando fogo.

A aeronave caiu em Torez, perto de Shakhtersk, cerca de 50 quilômetros a leste de Donetsk, perto da fronteira entre Donetsk e Lugansk, áreas autodeclaradas independentes pelos separatistas. Representantes de grupos pró-Moscou negaram envolvimento com a queda, alegando que seus armamentos têm alcance de 3.000 metros, informou a Interfax. As Forças Armadas da Ucrânia também negaram responsabilidade sobre a tragédia.

A Ucrânia acusou nesta quinta a Rússia de derrubar um de seus aviões de guerra, um modelo Sukhoi Su-25. O piloto sobreviveu após se ejetar do caça avariado, informou Andrei Lisenko, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional e Defesa ucraniano. Na segunda-feira, um avião cargueiro da Força Aérea ucraniana foi abatido no leste do país. Segundo Kiev, o foguete que derrubou a aeronave partiu do lado russo da fronteira. Lisenko confirmou que dois dos oito tripulantes do avião de transporte modelo An-26 derrubado foram encontrados mortos, enquanto quatro foram resgatados e outros dois aprisionados pelos rebeldes separatistas. A Rússia ainda não emitiu nenhum comunicado sobre o caso.

Segundo informações da Agência Federal de Aviação americana (FAA, na sigla em inglês), a maioria dos voos comerciais estava evitando sobrevoar a região, e utilizava rotas mais ao sul. Por causa do mau tempo que prejudicava o voo por rotas mais ao sul do leste ucraniano, o voo MH17 da Malaysian Airlines utilizou uma via aérea que sobrevoava a região com conflitos entre as tropas ucranianas e milícias pró-Rússia.

Em março deste ano, um avião da Malaysia Airlines que ia de Kuala Lumpur para Pequim, na China, desapareceu com 239 pessoas a bordo. Após sumir dos radares, o avião desviou de sua rota original e se dirigiu em direção ao Oceano Índico, a cerca de 5.000 quilômetros da costa da Austrália.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás