Saiba como o ILS vai transformar o Aeroporto de Joinville

Como o ILS, sistema que auxilia pilotos no pouso de aeronaves, vai ser o responsável por uma nova era no Aeroporto de Joinville


Átila Froehlich | A Notícia

Com pontualidade britânica, o Airbus A319 da TAM, vindo de Guarulhos (SP), aterrissou no Aeroporto Lauro Carneiro de Loyola, em Joinville, às 9h50 desta sexta-feira. O que tinha tudo para ser mais um pouso rotineiro, contudo, se tornou motivo de celebração para a equipe técnica e a superintendência do terminal, que não disfarçaram a satisfação de acompanhar o pouso do primeiro dia oficial de funcionamento do ILS em Joinville.

Na quinta-feira,o voo 01532 da Gol foi o primeiro a usar o sistema. O tema foi manchete de “A Notícia” desta sexta-feira.

Na pauta da Infraero desde 1987 e alvo de inúmeros entraves burocráticos nos últimos cinco anos, o ILS entra em operação como um dos maiores passos dados pela equipe técnica do Lauro Carneiro de Loyola desde o começo de sua história. O equipamento vem, inclusive, para corrigir um déficit econômico municipal no setor de transportes de passageiros.

Devido à grande quantidade de fechamentos e cancelamentos de voos por causa das condições climáticas adversas da região – 339 horas com operações suspensas só em 2013 –, muitos passageiros acabavam optando por comprar suas passagens para aeroportos próximos.

— Cerca de 80% das passagens compradas aqui eram para embarques em aeroportos próximos. Com um fluxo de embarques diminuído, a oferta de voos acaba sendo menor, fator que, consequentemente, aumenta o preço das saídas de Joinville — explica Mário Cezar de Aguiar, presidente da Associação Empresarial de Joinville (Acij), que se diz otimista com o futuro das operações no terminal.

Rones Heidemann, superintendente da Infraero em Joinville, reconhece que toda a questão de atrasos deve ser rapidamente minimizada com o ILS. Para ele, haverá mais segurança, frequência, compromisso com horários, oferta e demanda de voos.

— A operação do equipamento vai permitir aproximações com teto de 60 metros e visibilização da pista a partir dos 1.200 metros — explica Heidemann.

Em outras palavras, o piloto da aeronave vai conseguir fazer as manobras de aterrissagem mesmo sem visibilidade completa da pista. Um sistema de geoposicionamento vai permitir que o avião, por meio do computador de bordo, consiga fazer a aproximação em dias de neblina intensa ou de muita chuva, ficando menos dependente do clima ou da luminosidade para continuar com o funcionamento normal.

Com o ILS, a estimativa é de que o aumento de fluxo em embarques e desembarques se aproxime dos 50%, o que totalizaria uma movimentação de quase 600 mil passageiros até o final de 2014.

A tendência a curto prazo é de que, até mesmo pelo crescimento da confiabilidade de clientes e do mercado aéreo em geral, a procura por voos saindo de Joinville também aumente, impactando diretamente na quantidade de voos diários – atualmente são dez opções – e na diminuição do preço das passagens como uma consequência.

"Foi uma das aterrissagens mais tranquilas", diz piloto

Poucas pessoas conhecem tão bem os céus entre Joinville e São Paulo quanto o comandante Marcelo Sanchez. Atualmente no comando de um Airbus A319 da TAM, ele faz a rota entre as duas cidades há mais de 22 anos. Sanchez também comemora a chegada do ILS no Lauro Carneiro de Loyola, e lembra das inúmeras vezes em que precisou modificar a rota por conta do clima instável da cidade.

— Ao menos da minha parte, o ILS de Joinville está testado e aprovado. Era a ferramenta que faltava para otimizar de uma vez por todas o tráfego aéreo na região. Com tantos anos de experiência em avião, sei que a homologação do aparelho não sai sem muito trabalho dos envolvidos — destacou Sanchez.

Para ele, o sistema oferece condições de segurança não só para essas equipes, mas principalmente para passageiros e para os técnicos.

— Esta foi a primeira vez que pousei em Joinville com ajuda do ILS, e foi uma das aterrisagens mais tranquilas em tempos. Todos ganham — comemora.

O homem por trás da máquina

Com uma trajetória que muitas vezes se confunde com a do próprio aeroporto, o superintendente da Infraero em Joinville, Rones Heidemann, andava pelo pátio de aeronaves sem esconder seu orgulho. Há 27 anos trabalhando no Lauro Carneiro de Loyola – os últimos três como superintendente —, ele foi um dos responsáveis por colocar a tecnologia do ILS para funcionar em Joinville.

De sorriso fácil, Rones lembra que já foi gerente, coordenador, chefe de logística e chefe de transportes nestas quase três décadas no aeroporto, e que abraçou a luta pela homologação desde o começo, quando as dificuldades nos pousos do Lauro Carneiro de Loyola ficaram evidentes. Reconhecido pelos funcionários e amigos como um modelo de excelência em gestão, o que talvez se justifique pelo fato de ter passado por praticamente todos os cargos dentro do terminal, Rones atribui a homologação do ILS em Joinville a um grande trabalho em equipe.

— É uma conquista da cidade. Desde o começo, entidades empresariais, a Prefeitura e o próprio "AN" estiveram ao nosso lado nesta luta. Nossa equipe técnica foi apenas o meio para fazer acontecer — explicou Heidemann.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás