Fechamento do Santos Dumont faz torcedores perderem jogo do Brasil

Grandes filas se formaram nos guichês das companhias aéreas devido a nevoeiro


Igor Mello | O Globo

RIO - O nevoeiro que atingiu a cidade na manhã deste sábado, atrasando em pelo menos duas horas o início das decolagens no Aeroporto Santos Dumont, provocou uma grande movimentação nos guichês das companhias aéreas, no início da tarde. Eram passageiros pedindo a devolução do dinheiro das passagens. Muitos tinham como destino a cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais, para assistir à partida entre Brasil e Chile. A dona de casa Ana Staeni, que mora em Cuiabá mas está hospedada no Rio, tinha um voo da TAM programado para as 9h, mas não conseguiu embarcar.

— O nosso voo seria o terceiro do dia, mas só o primeiro saiu. Fui até o stand da Fifa e me informaram que não há devolução do dinheiro do ingresso. É uma decepção muito grande, porque era o último jogo da Copa que eu iria assistir e também o mais importante. Agora é tentar conseguir a devolução e procurar um lugar para assistir aqui mesmo — disse Ana Staeni.

Um grupo de mexicanos que tentava embarcar para Fortaleza, no Ceará, onde a seleção do seu país jogará contra a Holanda nesse domingo, estava apreensivo porque tinha conexão programada em São Paulo. Os mexicanos deveriam ter partido do Santos Dumont às 10h10m.

— Só queremos saber se conseguiremos partir, mas até agora (ao meio-dia) não conseguimos nada. Nem informação sobre a conexão. Estamos preocupados, porque temos reserva em hotel da cidade — disse Jorge Sanchez, de 35 anos.

Já Guillermo Campillo, de 28 anos, criticou o atendimento da companhia aérea:

— O atendimento foi péssimo. Cada pessoa fala uma coisa. Não sabemos o que fazer.

Compromissos cancelados

Além de torcedores que iriam assistir ao jogo em Belo Horizonte, passageiros que seguiam para outras cidades também reclamavam do atraso em voos. O casal Mariana e Daniel Prudente seguia para São Paulo, onde faria uma prova de proficiência em inglês. Eles acabaram perdendo o valor da inscrição, que custou R$ 500 para cada um deles:

— Não houve nenhuma ajuda. Pedi informações e os funcionários da companhia não foram muito educados. Falaram que o nosso voo estava no Galeão. Mas não nos levaram para lá, alegando que não havia transporte para todos — reclamou Daniele, enquanto o marido tentava cancelar a reserva em um hotel.

A professora Edilene Gonçalves, de 51 anos, estava desolada. Depois de planejar durante muito tempo, ela estava prestes a realizar “a viagem dos sonhos” com a família, para Cancún, no México. Ela planejava ficar no aeroporto durante todo o dia, se fosse necessário, mas já considerava certo perder um dia do pacote:

— Nós somos cinco e estávamos indo de férias para Cancún. Vamos ficar aqui o dia todo, porque o espaço áereo vai fechar por conta do jogo no Maracanã. Vamos ter que nos virar para comer e já perdemos um dia do nosso pacote — lamentava.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás