Seleção brasileira voa na Copa-2014 com o mesmo comandante do tetra

Marcos Saeger, que conduz avião da equipe há 21 anos, revela frase de Romário, poltrona de Felipão, comida preferida e garante "céu de brigadeiro" rumo ao hexa


Por Alexandre Lozetti | Globo Esporte
Teresópolis, RJ

Há no Brasil um homem que comandou Romário, Bebeto, Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho, Kaká e Neymar. Não é Felipão nem Parreira, tampouco Zagallo. Trata-se de Marcos Saeger, comandante que pilota o avião da Seleção na Copa do Mundo de 2014. Do Rio para São Paulo, Fortaleza, Brasília, agora Belo Horizonte. E um currículo invejável na bagagem. Foi ele quem conduziu a equipe em 1994, no tetracampeonato conquistado nos Estados Unidos.

O principal padrinho desse longo casamento é o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, amigo e mentor de sua “convocação” nos anos 90. Resgatado no ano passado, na Copa das Confederações, Saeger é o responsável pelas viagens de 2014, regadas a samba, amendoim e refrigerante e, ele garante, sem turbulências.

O primeiro voo do comandante com a delegação brasileira foi em 1993, para Guayaquil. Os atletas eram pressionados por uma campanha irregular e Teixeira aprovou a interação do comandante com o grupo. Na época, ele trabalhava na Varig, companhia aérea que teve falência decretada em 2010. Depois de 21 anos, muitas viagens juntos e uma breve separação, Saeger foi reconhecido em 2013 por um membro muito especial do tetra.

- O Parreira me viu e disse que eu seria o piloto deles novamente. Acabei fazendo a Copa das Confederações, um amistoso em Boston e outros internos - relata o piloto.

Carlos Alberto Parreira era o treinador em 94, e hoje é coordenador técnico da CBF. Diante do pedido da entidade e dos critérios da Gol, atual companhia de Saeger (idade, tempo de voo e de empresa), o comandante voltou a ser escalado para guiar a seleção brasileira.

Desde o dia 26 de maio, quando o grupo se apresentou em Teresópolis, já foram dez viagens, sempre em voos fretados. Em cada uma, cenas se repetem: Felipão no corredor, na poltrona 1C, ao lado de Parreira e do chefe de delegação, Vilson Ribeiro de Andrade, presidente do Coritiba. É da metade para trás do avião que ecoa o samba.

- Tive contato com muitos jogadores, desde o Romário, passando pelo Ronaldo e até o Neymar. Agora é uma galera bem mais nova, o Julio César é o único veterano. Mas são bem unidos, animados, tocam pagode o voo inteiro. A reunião deles acontece ali na janela de emergência, que tem mais espaço.

Na noite da última segunda-feira, a classificação para as oitavas de final foi intensamente comemorada nos cerca de 70 minutos que durou a volta de Brasília para o Rio de Janeiro, após a goleada sobre Camarões. O comandante afirma que nem tropeços como o empate diante do México inibem o pagode aéreo. Ele vê no capitão Thiago Silva o jogador mais fechado do grupo, o mais sério. E repara na alegria de Neymar, a simpatia de Bernard, as brincadeiras de Marcelo...

Mas, apesar da alegria, o passar do tempo mudou a cara dos voos da Seleção. Saeger diz que hoje há o “padrão Fifa” de viagens. Membros da entidade acompanham cada equipe nos trajetos feitos durante a Copa do Mundo. Jornalistas não entram e uma das principais diversões dos jogadores também foi banida: a entrada deles na cabine de comando.

- Antigamente era permitido, os jogadores iam mais. Hoje, por conta de uma lei da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), a cabine fica o tempo todo de porta fechada. Só tenho contato quando saio um pouco - relata Saeger.

Esse contato é suficiente para conhecer o gosto dos jogadores: o campeão de audiência é o saco de amendoim. Como os percursos não são longos, só há petiscos, e acompanhados de refrigerante, água ou sucos, já que a comissão técnica veta qualquer bebida alcoólica.

Aos 57 anos, o comandante não esconde que sente saudade dos tempos em que havia mais liberdade a bordo. No tetra, por exemplo, ele colecionou bons amigos entre os jogadores: Cafu, Raí, Ricardo Rocha, Dunga e o baixinho Romário, craque da Copa de 94 que profetizava a cada voo:

- Ele dizia que brasileiro não está nem aí para jogo bonito, ele quer é ganhar e saber de gol. E que ele faria aquela Copa, e fez mesmo.

Os Estados Unidos permitiram que a companhia mantivesse seu avião no país e fizesse todos os deslocamentos internos durante a Copa. A tripulação era sempre a mesma e ganhava ingressos de Teixeira para assistir aos jogos. Era uma tortura, já que o sexteto precisava se retirar do estádio no intervalo, ou no máximo no início do segundo tempo. Sem trânsito, eles rapidamente chegavam ao hotel, se arrumavam e partiam rumo ao aeroporto para deixarem o avião pronto.

No penta conquistado na Ásia, em 2002, Saeger teve participação indireta. Conduziu a Seleção nas Eliminatórias e foi ao Mundial a convite do ex-presidente da CBF. Em 2014, ele ainda não conseguiu ver nenhum jogo. Espera ansiosamente pela final no Rio de Janeiro. Enquanto isso, orgulha-se de jamais ter passado por turbulências mais sérias com os jogadores brasileiros.

- Até nisso sou pé-quente. A Seleção viaja em céu de brigadeiro (risos).

Saeger também virou um “placar eletrônico” da Seleção. É ele quem informa os placares dos jogos na Copa que acontecem enquanto os jogadores estão no ar. A partir das oitavas de final, ele pretende mandar mensagens ainda mais emotivas e motivadoras no sistema de som da aeronave. É o sonho do time brasileiro e também o seu: fechar o ciclo com o hexa em casa. Um sonho para quem voa alto.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás