Equipamentos russos reduzirão custos de Superjet e MC-21

Engenheiros da Radioelektronnie Tekhnologui pretendem até 2015 tirar a primeira licença da EASA destinada à fabricação dos equipamentos aeronáuticos de bordo. Isso permitirá a entrada dos sistemas aviônicos russos no mercado internacional, assim como substituição dos equipamentos importados nas aeronaves nacionais.


Ekaterina Turicheva, Reportagem combinada | Gazeta Russa

A corporação russa Radioelektronnie Tekhnologui apresentou uma solicitação para certificação dos seus produtos junto à EASA (Agência Europeia para a Segurança da Aviação) que, de acordo com as estimativas, deverá ser concluída até o ano de 2015. O certificado emitido pela EASA autoriza a compra e o uso dos equipamentos de aviação pelas empresas aéreas europeias e de outros países que seguem as normas da agência.

O diretor do departamento aeronáutico do Ministério de Indústria e Comércio, Andrêi Boguinski, acredita que, no futuro próximo, todos os equipamentos de bordo e sistemas dos aviões e helicópteros nacionais serão fabricados em território russo. “A autorização da EASA seria mais um passo para o aumento da receita dos fabricantes dos aparelhos nacionais”, diz.

A aquisição da licença resultará na instalação de equipamentos de bordo russos em aeronaves comerciais nacionais, tais como MC-21 e Superjet, assim como no avião de médio alcance Yak-242. Atualmente, os sistemas russos, tais como os conjuntos de navegação e comunicação, compõem um pouco mais da metade de todos os equipamentos aeronáuticos. Porém, de acordo com os especialistas, o novo Superjet 100 foi equipado apenas com os aparelhos franceses.

“Com a licença em mãos, as empresas russas poderão oferecer peças de reposição e de manutenção para aeronaves civis e militares”, acrescenta Maskim Kuziúk, diretor-geral do grupo de empresas Aviatsionnoe Oborudovanie. “A realização bem-sucedida da presente estratégia facilitará o crescimento dos índices financeiros, tais como a receita e lucro das empresas do setor devido à redução do preço do produto final, entre outras vantagens.”

Além da substituição dos produtos importados pelos nacionais, os planos do órgão incluem a sua exportação para os atuais destinos principais dos artigos fabricados pelas empresas russas, tais como Índia, países do Sudeste Asiático e América Latina.

Os planos dos desenvolvedores russos dos sistemas eletrônicos incluem ainda a introdução de novos componentes certificados em outros modelos de aeronaves, incluindo o avião militar de transporte Be-200. “Mas os sistemas eletrônicos destinados às aeronaves civis exigirão certa adaptação caso sejam usados para os fins militares, pois não podem conter nenhum componente importado”, explica Oleg Panteleev, editor-chefe da agência de informação AviaPort.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás