Plano B para o aeroporto de Cuiabá prevê terminal de lona


A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann admitiu preocupação com obras em atraso


Por Andrea Jubé | Valor

De Brasília

A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que comanda a força-tarefa criada pela presidente Dilma Rousseff para coordenar os trabalhos e garantir a realização da Copa do Mundo, admitiu preocupação com obras em atraso, como o aeroporto de Cuiabá (MT), e adiantou o plano B do governo: um terminal de lona.

Em entrevista ao Valor, ela fez um balanço dos preparativos para a Copa e admitiu que há uma grande preocupação com os protestos, embora, em comparação com os que marcaram a Copa das Confederações em junho, o governo se considera "muito mais preparado" para eventuais atos de vandalismo. "Temos que respeitar os protestos, mas os pacíficos", ressalvou. "Não vamos permitir depredadores do patrimônio público, que firam a segurança das pessoas, nem que a violência impossibilite os jogos".

Auxiliares próximos à presidente avaliam que um eventual fracasso na realização da Copa, contaminado por uma nova onda de protestos, e com a reedição dos atos de vandalismo, é a maior ameaça à reeleição de Dilma - mais do que a disputa eleitoral com a oposição. Por isso, nos bastidores, a tensão pré-Copa volta-se mais à área de segurança, e ao adequado enfrentamento à possível reedição dos protestos, do que à infraestrutura.

Dos 13 aeroportos em reforma, sendo 12 nas cidades-sedes, mais Viracopos em Campinas (SP), apenas a falha no cronograma em Cuiabá contraria o governo. Problemas na elaboração do projeto e na licitação causaram o atraso. Se as obras no terminal de passageiros da capital mato-grossense não forem concluídas até maio, o governo vai erguer uma estrutura de lona, provisória e climatizada, para receber os torcedores. "Não é uma lona fina, ela climatiza, organiza, fica bonito, mas não tem a durabilidade de uma construção", diz a ministra.

À frente das ações de monitoramento da Copa desde agosto de 2011, Gleisi já conduziu mais de 90 reuniões para discussão de problemas, acompanhamento de cronogramas e cobrança de resultados.

A partir de outubro, o grupo passou a acompanhar de perto, junto com a Embratur, os preços de hospedagem e passagens aéreas no período do evento.

De saída do cargo, para concorrer ao governo do Paraná, ela ressalva que o "Ministério dos Esportes é o grande coordenador do mundial". Resguarda o papel do ministro Aldo Rebelo, que desistiu de concorrer ao governo de São Paulo, a pedido de Dilma, para concluir preparativos do evento.

O governo avalia que as obras nos demais aeroportos transcorrem em ritmo adequado.

"Guarulhos, Brasília e Campinas estão com ritmo de obras do concessionário avançados, vamos ter as obras entregues num tempo confortável", diz Gleisi.

Quanto aos portos, o governo espera a conclusão das obras em cinco terminais até maio. Os portos de Salvador (BA) e Santos (SP) terão as obras finalizadas no próximo mês. Natal (RN), Fortaleza (CE) e Manaus (AM) serão entregues em maio. E o porto de Recife (PE) foi concluído em agosto.

A construção ou reforma dos estádios e a rede de fibra ótica, para viabilizar a transmissão dos jogos, são essenciais à Fifa. O governo considera "confortáveis" o andamento das obras na arena e na rede de comunicações. Do total de 12 estádios nas cidades-sede, seis foram inaugurados e três estão dentro do cronograma: Natal, Porto Alegre e Manaus.

Mas o sinal de alerta disparou para três arenas: Corinthians (Itaquerão), Cuiabá e Curitiba (PR), as duas últimas com menos de 90% das obras executadas. No caso do Itaquerão, o governo espera para o dia 15 a divulgação de novo cronograma de conclusão, após o acidente que vitimou dois operários.

O Ministério das Comunicações contratou a Telebrás para garantir a instalação da rede de fibra ótica nas cidades-sede. Até agora, 72% da rede foi instalada, num ritmo de execução que o governo avalia como "adequado". Na área de energia, das sete linhas de transmissão, duas foram entregues e as demais devem ser concluídas até maio. Dos 151 pontos de distribuição, 82 estão inconclusos.

O governo ainda não tem resposta, entretanto, para a principal reivindicação das ruas: o "padrão Fifa" nos serviços públicos. Gleisi afirma que Dilma foi "corajosa" e abriu um "diálogo franco" com a população, comprometendo-se a trabalhar para entregar "melhor nível de qualidade nos serviços públicos". E aponta os cinco pactos em conjunto com prefeitos e governadores como a maior resposta às manifestações, que exigiram melhorias na saúde, educação e mobilidade urbana.

Na área da saúde, Gleisi diz que o maior feito foi o programa Mais Médicos, lançado na esteira dos protestos, que promete 13 mil profissionais até abril. A ministra também cita a lei que garantiu o repasse dos royalties do petróleo para a educação. Já na questão do transporte público, que deflagrou as manifestações, ela lembrou que houve a liberação de bilhões de reais em recursos para o "PAC da Mobilidade Urbana".

O governo, contudo, não descarta a volta da população às ruas: "Sempre os grandes eventos foram motivadores de protestos, porque é onde as pessoas podem ser vistas e têm repercussão", acredita Gleisi.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás