Mesmo com perda de receita, Azul define teto para voos na Copa

A iniciativa atende às pressões do governo contra aumentos abusivos de preço das passagens aéreas durante a Copa do Mundo de Futebol


Marina Gazzoni | O Estado de SP

A companhia aérea Azul anunciou ontem um teto para o preço das passagens aéreas para voos durante a Copa do Mundo. Todas as viagens realizadas pela empresa durante os dias 12 de junho e 13 de julho, inclusive os voos com conexão, custarão no máximo R$ 999. A iniciativa atende às pressões do governo contra aumentos abusivos de preço durante o Mundial e faz parte de uma estratégia de marketing da companhia. 


A definição de um teto para o valor das passagens muda temporariamente a fórmula de precificação da empresa. A maioria das companhias aéreas vende bilhetes a preços variados, definidos a partir de um algoritmo que considera fatores como antecedência da compra, ocupação do voo e sazonalidade. Quem compra uma passagem de última hora para uma data concorrida, como o carnaval ou a Copa, tende a pagar valores mais elevados. Não há preço máximo. 

O presidente e fundador da Azul, David Neeleman, estimou que a companhia perderá R$ 20 milhões com a limitação dos preços para os voos da Copa, "É um investimento e uma questão de imagem. Não quero que ninguém ache que a Azul está abusando dos brasileiros na Copa do Mundo", disse Neeleman. 

O limite já foi aplicado às 0 hora de ontem no site da Azul e valerá para os voos extras da companhia para o evento. A Azul pediu à Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac) autorização para realizar 310 voos adicionais na Copa. Ao todo, a Anac recebeu 1.523 pedidos de operações extras de todas as empresas e divulgará a relação dos voos aprovados no próximo dia 15. 

Apesar do aquecimento da demanda por transporte aéreo nas 12 cidades-sede da Copa durante os jogos, Neeleman prevê queda na demanda da Azul no período. "Para as nossas vendas, a Copa não será boa. Nossas receitas vão cair. Só 12 das 105 cidades para as quais voamos terão jogos", explicou. 

A expectativa é de que os passageiros corporativos, que somam 60% do total, viajem menos durante a Copa. Segundo Neeleman, isso deve levar a empresa a cancelar cerca de 20% dos seus quase 900 voos diários no período. 

Procuradas para comentar sua estratégia de preços durante a Copa, Gol e TAM disseram que aguardam a aprovação da malha aérea especial do período pela Anac.

Impacto. A limitação das tarifas da Azul deve fazer os voos da empresa encherem mais rápido do que os da concorrência, mas não coibirá a alta de preços, estima o professor de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Samy Dana. Segundo ele, os voos para as cidades-sede da Copa não serão suficientes para atender a todos os passageiros que pretendem desembarcar nessas cidades para assistir aos jogos, o que deve motivar uma alta das tarifas na concorrência. 

"Se a passagem de Gol e TAM passar de R$ 1 mil, os clientes vão optar pela Azul. Os voos vão lotar lá por março ou abril, e as pessoas terão de voltar para a Gol e a TAM, que poderão subir o preço", disse. 

Os aspectos políticos, no entanto, podem mudar a lógica de mercado, explica o consultor em aviação Nelson Riet. "A Azul correu na frente para fazer algo que todas as empresas aéreas já estão pensando, que é segurar os preços na Copa", disse. "A decisão da Azul se justifica por pressões políticas." 

A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, criticou os preços praticados pelas companhias aéreas brasileiras durante a Copa e ameaçou abrir o mercado interno a aéreas estrangeiras, em entrevista publicada no domingo pelo jornal Folha de S. Paulo. 

Marketing 

"- O teto para o preço da passagem na Copa é uma questão de imagem. Não quero que ninguém ache que a Azul está abusando dos brasileiros na Copa do Mundo." 

David Neeleman
FUNDADOR DA AZUL


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás