Segurança continua sendo maior falha do aeroporto Tom Jobim

Apesar de ter unidades das polícias Federal, Militar e Civil, Tom Jobim sofre com número reduzido de agentes

Antônio Werneck - O Globo


RIO - Inaugurado em fevereiro de 1952, o Aeroporto Internacional Tom Jobim deveria ser um dos locais mais seguros do Rio. Há grupos de policiais militares e guardas municipais patrulhando sua área externa, além de um conjunto de instituições vigiando seu interior: duas delegacias da Polícia Federal (uma especial e uma de imigração), uma unidade da Polícia Civil e uma companhia especial da Polícia Militar, além de 485 seguranças particulares contratados pela Infraero e uma delegacia da Receita Federal. Não há no Rio nenhum outro local que concentre tamanha estrutura de segurança pública.

A prática, no entanto, é outra para os inúmeros passageiros que circulam pelo segundo maior aeroporto do país: do lado de fora, é preciso ficar atento aos taxistas piratas, que atuam extorquindo principalmente turistas, suas vítimas prediletas. Há também, agindo no Galeão, quadrilhas especializadas no furto de malas e doleiros que cobram elevadas taxas de câmbio, de dar inveja aos banqueiros. No estacionamento, há relatos de carros arrombados e a ação sistemática de transporte ilegal.

Reforço federal

Há três anos, às vésperas do feriado de Sete de Setembro, uma bomba de fabricação artesanal destruiu o interior de um Vectra estacionado na área externa de desembarque do Terminal 2. 


Considerado um atentado gravíssimo do ponto de vista da segurança, o caso nunca foi totalmente esclarecido. Inicialmente, policiais cogitaram que a explosão tivesse resultado de um defeito no cilindro de combustível (GNV). A versão foi praticamente descartada após avaliação preliminar dos peritos dois dias depois. A explosão estava relacionada à disputa pelo controle do transporte ilegal de passageiros no local.

Na base de toda a insegurança do aeroporto, estaria o reduzido número de policiais. Embora existam várias delegacias instaladas e funcionando, há pouca gente trabalhando de fato. Talvez por isso, em todos os grandes eventos que o Rio sediou recentemente — Rio+20, Copa das Confederações e Jornada Mundial da Juventude —, os governos estaduais e federais tenham recorrido ao pagamento de diária para trazer gente de folga e também de outros estados para reforçar o efetivo.

Para a Copa do Mundo, no ano que vem, e durante os Jogos Olímpicos, em 2016, o planejamento incluiu homens das Forças Armadas (Marinha e Aeronáutica) para atuar na segurança ostensiva, trabalho que deveria ser executado pela Polícia Militar. Além disso, militares da Força Nacional seriam deslocados para o Rio novamente. Destino: Ilha do Governador.

Com tantos buracos e falhas de segurança, nunca o Galeão mereceu tanto o apelido de queijo suíço, cunhado nos anos de 1990. Para a Infraero, entretanto, o aeroporto não é vulnerável. Vigilantes, equipamentos de raios X e detetores de metal garantiriam a segurança. Falta apenas combinar com o ladrão.


-->
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás