Pular para o conteúdo principal

Helicóptero cai no Lago Corumbá, em Caldas Novas (GO)

Segundo o Corpo de Bombeiros, os dois ocupantes sobreviveram. Bombeiro que estava de folga, andando de moto aquática no lago, resgatou um dos sobreviventes.


Por Murillo Velasco | G1 GO

Um helicóptero, modelo R-44 Robinson, caiu, nesta segunda-feira (31), no Lago Corumbá, em Caldas Novas, na região sul de Goiás. Segundo o Corpo de Bombeiros, duas pessoas que estavam na aeronave sobreviveram. Um dos sobreviventes foi socorrido por um bombeiro que estava de folga, andando de moto aquática no lago.

Bombeiros fazem buscas após helicóptero cair no Lago Corumbá, em Caldas Novas — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros
Bombeiros fazem buscas após helicóptero cair no Lago Corumbá, em Caldas Novas — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

Um dos ocupantes do helicóptero, identificado como Gencerico de Freitas Milhomens, foi encaminhado para Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade com escoriações e um corte na cabeça. Segundo a unidade de saúde informou à TV Anhanguera, a vítima está sendo atendida e o estado de saúde é estável.

O piloto, segundo os bombeiros, teria sido socorrido por terceiros, mas não há informação se ele recebeu atendimento em alguma unidade de saúde da região.

"A aeronave caiu no lago, ainda está submersa e nós ainda não sabemos qual o prefixo ou espeficiação da mesma. Segundo as informações que temos até o momento, há duas vítimas, ambas sobreviventes, que foram socorridas no local e levadas para unidades de saúde", disse o sargento Alcinede Borges.

O acidente aéreo ocorreu por volta das 9h43 desta segunda-feira, no Lago Corumbá, em Caldas Novas. Conforme a corporação, um bombeiro de folga estava andando de moto aquática no lago no momento do acidente aéreo e, rapidamente, retirou uma das vítimas da aeronave, que ficou submersa.

Conforme Corpo de Bombeiros, mergulhadores estão fazendo buscas no lago, tentado localizar outros possíveis ocupantes do helicóptero. As equpes, que somam 7 bombeiros, conseguiram localizar a areonave submersa a 18 metros de profundidade, distante 200 metros das margens.

Segundo a corporação, o Cenipa (Centro de Investigações e Prevenção de Acidentes Aéreos), por meio da sua regional SERIPA IV, que fica em Brasília, foi acionado para investigar as causas do acidente.

Investigação

Em nota, a Força Aérea Brasileira (FAB) informou que investigadores do SERIPA VI realizarão a Ação Inicial da ocorrência envolvendo a aeronave modelo R-44 Robinson, ocorrida nesta segunda-feira (veja nota abaixo).

"A ação inicial é o começo do processo de investigação e possui o objetivo de coletar dados: fotografar cenas, retirar partes da aeronave para análise, reunir documentos e ouvir relatos de pessoas que possam ter observado a sequência de eventos.
A investigação realizada pelo CENIPA tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram.


A conclusão de qualquer investigação conduzida pelo CENIPA terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade do acidente. O andamento da investigação poderá ser acompanhado no Painel SIPAER (http://painelsipaer.cenipa.aer.mil.br), opção 'buscar ocorrência'".


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Avião da TAM retorna após decolagem

Jornal do Commercio SÃO PAULO – Um avião da TAM, que partiu de Nova Iorque em direção a São Paulo na noite de anteontem, teve que retornar ao aeroporto de origem devido a uma falha. Segundo a TAM, o voo JJ 8081, com 196 passageiros a bordo, teve que voltar para Nova Iorque devido a uma indicação, no painel, de mau funcionamento de um dos flaps (comandos localizados nas asas) da aeronave.De acordo com a TAM, o avião passou por manutenção corretiva e o voo foi retomado à 1h28 de ontem, com pouso normal em Guarulhos (SP) às 10h38 (horário de Brasília). O voo era previsto para chegar às 6h45. A companhia também informou que seu sistema de check-in nos aeroportos ficou fora do ar na manhã de ontem, provocando atrasos em 40% dos voos. O problema foi corrigido.

STJ define foro de ação contra Varig

Zínia Baeta, de São Paulo

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, pela primeira vez, que cabe à Justiça do Trabalho julgar um processo de uma ex-funcionária da antiga Varig que pede no Judiciário o pagamento de verbas trabalhistas - como salário, férias e FGTS - ao grupo econômico do qual faz parte a companhia aérea Gol. Até então, em conflitos de competência similares, o STJ vinha entendendo que esses casos deveriam ser remetidos à Justiça estadual - no caso, a 1ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, responsável pela recuperação judicial da velha Varig. Apesar de o STJ não entrar na discussão sobre a responsabilidade da Gol pelas dívidas trabalhistas da Varig, comprada por ela em 2007, a decisão é apontada como um importante precedente por advogados trabalhistas, pois o entendimento poderia, de alguma forma, influenciar o Supremo Tribunal Federal (STF), que também está para julgar um conflito de competência envolvendo uma ex-funcionária da antiga Varig.

Em março de 2007, a Gol com…

Embraer E190 domina os ventos da ilha de Santa Helena (video)

Sucesso da missão da aeronave foi referido por representante da Sua Majestade como um dos aparelhos mais adequados para pousar na ilha
Junio Oliveira | Jornal do Ar

Santa Helena é uma pacata ilha situada no meio do Atlântico Sul. Considerado um dos lugares mais remotos do planeta, a mais de 2.000 quilômetros de qualquer outro pedaço de terra, antigamente, chegar a Santa Helena só era possível de barco, que, geralmente, poderia durar cinco dias a partir da Cidade do Cabo, na África do Sul.


Para reduzir o tempo de viagem, a ilha que é território britânico, recebeu um fundo de aproximadamente 800 milhões de reais (£202 milhões de libras) para a construção de um aeroporto. As obras iniciaram-se em 2010 e terminaram no inicio de 2016. Mas problemas com windshear, um fenômeno muito conhecido e temido na aviação, está a tirar o sono do governo da ilha.

Apesar das aeronaves modernas detectarem o windshear a distância, o aeroporto foi construído a pensar nos jatos A320 e Boeing 737, mas operar nes…