FBI não descarta motivação terrorista em ataque em aeroporto nos EUA

5 pessoas morreram e 8 ficaram feridas após atirador abrir fogo em Fort Lauderdale. Ele serviu nas Guardas Nacionais de Porto Rico e Alasca e na Guerra do Iraque, segundo o Pentágono.


EFE


As autoridades federais dos Estados Unidos informaram que não descartam a possibilidade de o ataque que deixou 5 mortos e 8 feridos no Aeroporto Internacional de Fort Lauderdale-Hollywood, no sul da Flórida, tenha motivações terroristas. 

Resultado de imagem para ataque aeroporto florida
Passageiros esperam diante de aeroporto na pista em Fort Lauderdale - Lynne Sladky / AP

A afirmação foi feita por George Piro, agente especial responsável pelo escritório do FBI (a polícia federal americana) em Miami, em entrevista coletiva na noite desta sexta-feira (6) no aeroporto.

Piro afirmou que "não se descarta" a hipótese de terrorismo e mantém todas as possibilidades em aberto. Disse também que as recentes viagens do suspeito estão sendo revistas.

O agressor foi identificado na coletiva como Esteban Santiago, de 26 anos. Ele é veterano da Guerrra no Iraque (veja mais abaixo) e utilizou uma pistola semiautomática 9mm para abrir fogo indiscriminadamente contra pessoas que esperavam pelas malas no terminal 2 do aeroporto.

Esteban chegou a Fort Lauderdale em um voo vindo do Alasca, segundo as autoridades, e pegou a arma de sua própria bagagem. Após os disparos, ele se entregou sem opor resistência, foi detido e interrogado e deve ser indiciado, afirmou o chefe do FBI em Miami.

Além dos 5 mortos e 8 feridos pelos tiros, mais de 30 pessoas foram levadas a hospitais locais com contusões ou ossos quebrados devido ao caos causado pelo atirador, segundo a agência de notícias Reuters.

Após o ataque, todos os serviços do aeroporto foram suspensos. As decolagens foram canceladas e só tiveram autorização para pousar aviões que já estavam a pelo menos 50 milhas do local. Os demais foram desviados para outros aeroportos, inclusive um voo da Azul de Campinas (SP).

Problemas mentais

Piro confirmou que Esteban foi a um escritório do FBI em Anchorage (Alasca) em novembro, agindo erraticamente, e foi entregue à polícia local - que o levou a um centro médico para avaliação mental.

Um oficial afirmou à Reuters que ele disse a agentes no escritório de Anchorage que sua mente estava sendo controlada por uma agência de inteligência dos EUA, que ordenava que ele assistisse a vídeos do Estado islâmico.

Esteban serviu de 2007 a 2016 na Guarda Nacional de Porto Rico e na Guarda Nacional do Alasca, incluindo um destacamento para o Iraque de 2010 a 2011, segundo o Pentágono.

Engenheiro privado de primeira classe e combate, ele recebeu meia dúzia de medalhas antes de ser transferido para a reserva inativa em agosto. Uma porta-voz militar disse à agência de notícias Associated Press (AP) que Esteban foi desligado da Guarda Nacional do Alasca por performance insatisfatória.

Bryan Santiago, irmão do atirador, afirmou também à AP que Esteban já recebeu tratamento psicológico no Alasca, onde morava. Bryan disse que, embora tenha nascido em Nova Jérsei, o irmão cresceu em Porto Rico, para onde foi aos dois anos.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás