Governo relaxa regra para atraso e cancelamento de voos em Congonhas

Índice máximo para atrasos sobe de 20% para 25% dos voos operados.

Ministério diz que objetivo é unificar regra para aeroportos saturados.


Fábio Amato | G1, em Brasília

O governo federal decidiu revogar uma regra criada em 2014 e que exigia das empresas aéreas índices de regularidade e pontualidade mais rígidos no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, o terceiro mais movimentado do país.



 

Pela regra antiga, as empresas aéreas que operam no aeroporto poderiam ser punidas com a perda de slots (horários para pouso e decolagem) se não respeitassem o limite de 10% para os cancelamentos e de 20% para atrasos de voos em um determinado período.

Agora, esses limites vão passar a ser de 20% para os cancelamentos e de 25% para os atrasos.

Essa mudança é consequência de uma decisão do ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, que também é o atual presidente do Conselho de Aviação Civil (Conac). Nesta semana, Quintella revogou a resolução de 2014 que fixa as regras para a distribuição dos horários de pousos e decolagens em Congonhas.

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), com a revogação os limites para atraso e cancelamento de voos admitidos para Congonhas passam a ser aqueles menos rígidos (25% e 20%), os mesmos exigidos nos chamados aeroportos coordenados (considerados de interesse e que estão com a estrutura saturada em pelo menos algum momento do dia).

Outro lado


O Ministério dos Transportes informou que considera que a regra mais rígida para Congonhas atingiu um dos objetivos da resolução, que era permitir a entrada de outras empresas aéreas no aeroporto – notadamente, a Azul, que antes não operava voos ali.

Entretanto, ainda de acordo com o ministério, elas não contribuíram para outra meta, que era incentivar a aviação regional no país.

Além da eficiência (atrasos e cancelamentos), a resolução também considerava a participação da empresa aérea no mercado regional para distribuir horários de pousos e decolagens em Congonhas.

O ministério disse avaliar que, por conta dos resultados, a melhor opção é dar a Congonhas o mesmo tratamento de outros aeroportos coordenados. Entre eles estão Brasília, Guarulhos, Santos Dumont, Galeão e Confins.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás