Apagão no Galeão foi causado por animal silvestre

Foi a sexta vez em menos de um ano que os passageiros ficaram no escuro
Para especialistas, faltam manutenção adequada e novos equipamentos
Infraero promete investir R$ 13,8 milhões na compra de um terceiro gerador de energia e de novos transformadores


Caio Barreto Briso | O Globo

RIO – Um animal silvestre provocou o curto-circuito que causou o apagão de mais de uma hora na noite de sexta-feira no Aeroporto Internacional Tom Jobim. Segundo a Infraero, o animal (não identificado) teria invadido a área da subestação de energia, localizada no próprio aeroporto. O curto gerou a sobrecarga elétrica que desarmou dois disjuntores. Em menos de um ano, é a sexta vez que o Galeão sofre com um problema deste tipo. Especialistas no setor elétrico dizem que, provavelmente, as instalações e equipamentos estão desatualizados.

- Um aeroporto deve ter geradores automáticos em número suficiente. Não se pode ficar à mercê de um curto-circuito. As instalações elétricas nos aeroportos brasileiros normalmente são precárias -, diz Fábio Resende, que tem 46 anos de experiência na área e é um dos diretores do Ilumina, instituto de desenvolvimento estratégico do setor elétrico. - Está claro que faltam manutenção adequada e investimentos em novos equipamentos e em atualizações. Quase sempre a parte elétrica, mesmo em nível industrial, é relegada ao segundo plano - completa Resende.

O engenheiro eletricista Roberto Pereira D’Araújo, também do Ilumina, observa que problemas elétricos acabam com qualquer aeroporto:

- Tudo ali dentro depende de energia. Máquinas, radar, computadores, check-in, tudo. Se o problema não for equacionado logo, novos apagões devem acontecer - afirma.

A Infraero informou, via assessoria, que "estão em andamento três grandes investimentos no sistema elétrico do aeroporto: a reforma dos dois grupos de geradores existentes, a aquisição de um terceiro grupo e a compra de novos transformadores".

Segundo o órgão, o investimento total será de R$ 13,8 milhões. A Infraero também disse que os geradores atendem ao aeroporto por completo e que os terminais 1 e 2 ficaram no escuro porque "o curto-circuito ocorreu entre os geradores e os terminais, o que impediu o seu ligamento automático, sendo necessário o ligamento manual".

Em agosto deste ano, a administração do aeroporto passará a ser oficialmente da Concessionária Aeroporto Rio de Janeiro, consórcio que tem no comando a Odebrecht e a Changi (de Cingapura).

Em nota, a empresa afirmou já ter iniciado a elaboração do chamado Plano de Ações Imediatas (PAI). Será, segundo o consórcio, "um extenso levantamento para identificar os pontos mais urgentes, além do que está previsto no edital". A avaliação do sistema elétrico do Galeão, segundo a empresa, está contemplada pelo levantamento.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás