Voo para Petrolina sai mais caro do que ir para Dubai

Voo do DF para Petrolina (PE) sai mais caro do que ir para Dubai


POR RICARDO GALLO | FOLHA DE SP

A dica veio do leitor da Folha Edson Duarte, pedagogo.

Edson é de Juazeiro, na Bahia, e tentou comprar passagem para a família viajar na Semana Santa entre Brasília, onde ele vive atualmente, e Petrolina –que fica em Pernambuco mas está a poucos quilômetros da cidade natal.

“A nossa surpresa e espanto veio quando resolvemos pesquisar preço das passagens”, disse. Os bilhetes para quatro pessoas (ele, a mulher, um filho de três anos e outro de três meses) saía a cerca de R$ 13 mil reais.

Fui pesquisar e era isso mesmo: a ida e a volta saíam a R$ 12.909,98, ou em dez vezes de 1.290,99, com taxas incluídas. O voo dura seis horas e tem três escalas.

Uma busca rápida na Emirates revela que ida e volta a Dubai, nos Emirados Árabes, sairia por R$ 9.404, com taxas –27% a menos do que o valor praticado pela Azul.

A distância entre Brasília e Petrolina é de mil quilômetros, em linha reta. Aquela entre Guarulhos e Dubai é muito maior: 12 mil km.

Ir a Nova York pela Air Canada, para toda a família, custa R$ 7.632,25.

“Está na hora de se tomar providências em relação aos preços cobrados por viagens domesticas pelas empresas aéreas”, disse ele.

Aqui cabe uma ponderação: voos internacionais têm benefício e pagam menos pelo litro do combustível para voar. A Mariana Barbosa, minha colega de blog, explica isso bem em uma reportagem da Folha de 2012, que você lê clicando aqui.

OUTRO LADO

Procurada pelo blog, a Azul – companhia de baixo custo e baixa tarifa – não respondeu diretamente por que cobra quase R$ 13 mil para quatro pessoas.

A empresa afirmou que “os preços praticados nas passagens aéreas variam de acordo com alguns fatores importantes”.

“São eles: origem ou destino em questão, sazonalidade, compra antecipada, variação no valor do combustível, entre outros. Esses fatores fazem com que as tarifas sejam bastante dinâmicas em todos os mercados.”

Segundo a Azul, as melhores tarifas são encontradas quando o consumidor compra com antecedência de 21 dias.

Edson pesquisou a compra para abril – portanto, mais de 21 dias antes.

PONDERAÇÃO AO DEBATE

O leitor Luiz dá um outro ponto de vista à discussão. Achei pertinente e vou compartihar:

“Ricardo, há que se ponderar outras questões.

Primeiro, o voo da Azul não é Brasília-Petrolina direto, e sim Brasília-BH/Confins-Campina Grande-Petrolina. Isso dá mais ou menos 2.900 quilômetros.

Outra: na Avianca o voo direto saindo de BSB no dia 18 e voltando de PNZ no dia 21/04 dá R$ 4.720,50 (incluindo taxas de embarque) para 2 adultos e 2 crianças.

Além disso, trata-se de um voo com conexões que envolve uma rota de altíssima demanda (BSB-CNF) e outras de média/baixa demanda (CNF-CPV; CPV-PNZ), em período de feriado.

No Brasil, ao contrário de países mais desenvolvidos, voos com conexões tendem a ser mais caros que voos diretos, justamente pq há uma média de ocupação mais alta, pouca competição, forte demanda reprimida e não há motivos para disponibilizar assentos a um preço pouco maior que o custo marginal.

Em outras palavras, ele quer fazer 3 trechos em que as empresas podem, em cada um, cobrar passagens caras de passageiros individuais… melhor pegar o voo direto da Avianca.

Por fim, o combustível é um fator que influencia sim, especialmente pelo elevado ICMS, mas não é o principal motivo do aumento dos preços de passagens.

O principal motivo é a baixa competição no mercado.

A solução? Aumentar o limite de participação de capital estrangeiro nas empresas aéreas, hoje em 20%, para até 100%. Não estou falando em cabotagem de empresas internacionais, e sim que investidores estrangeiros possam criar empresas aéreas no Brasil. Só com maior competição será possível forçar a curva de preços pra baixo.”


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás