Os crimes das malas

O extravio e o furto de bagagens popularizaram o serviço de envelopamento de malas, e as empresas disputam espaço para operar nos maiores aeroportos brasileiros

Marcelo Sakate | Veja


A cada ano, 26 milhões de bagagens são danificadas, furtadas ou extraviadas em aeroportos em todo o mundo. Em um voo com 300 passageiros, três terão algum tipo de problema com a bagagem. É um transtorno para quem viaja e um custo elevado para as companhias, que, no ano passado, gastaram 2,6 bilhões de dólares com indenizações e despesas adicionais. As conexões são as grandes vilãs e respondem por metade dos casos de extravio e furto. Para reduzir esse custo, as empresas e os aeroportos investiram em tecnologia. Equipamentos rastreiam as malas do momento do check-in até que sejam retiradas na esteira do aeroporto de destino. Aplicativos permitem ao passageiro saber onde se encontra a bagagem. Os passageiros ficaram mais precavidos. As vendas de malas rígidas, mais resistentes, ganharam espaço na preferência do consumidor. Nos Estados Unidos, depois dos atentados de 11 de setembro, o órgão responsável pela segurança em aeroportos desenvolveu um modelo de cadeado que pode ser aberto com uma chave universal, o TSA, evitando a quebra em caso de suspeita de conteúdo ilegal.

Outro serviço que se popularizou é o de lacrar a mala com um filme plástico, presente em mais de setenta países. Segundo as empresas aéreas, o recurso é eficiente na redução dos danos à bagagem e inibe os furtos. No Brasil, 300.000 malas são envelopadas por ano, ao preço de 40 reais. A técnica tem dois brasileiros entre os seus pioneiros. Depois de um voo de São Paulo para Madri, em 1989, o advogado Paulo Cesar Fabra descobriu, ao abrir a mala no hotel, que havia sido furtado — e pela segunda vez. Depois desse episódio, ele e um amigo, Sergio Cassettari, buscaram desenvolver uma máquina para lacrar a mala com um filme plástico. Na mesma época, o serviço passou a ser oferecido nos Estados Unidos, mas com outra técnica de embalagem. Fabra e Cassettari começaram a oferecer o serviço no Aeroporto de Guarulhos, em caráter experimental. No primeiro dia, embalaram só uma mala.

Mas insistiram na ideia, registraram a patente no Brasil e criaram a Protec Bag. Em três meses, as vendas reagiram. Nos quinze anos em que vigorou a proteção da patente, a empresa dominou esse mercado no país.

Hoje a competição é acirrada. Nos últimos anos, a Protec Bag perdeu espaço para a italiana TrueStar nos principais aeroportos brasileiros. A disputa pelos pontos envolve denúncias de irregularidades e contratos inflacionados. No ano passado, para ganhar o direito de operar no Galeão, a TrueStar ofereceu pagar à Infraero 132.000 reais por mês, mais que o triplo da segunda melhor proposta. 


Em Florianópolis, a sua oferta foi dez vezes o montante que o contrato anterior estipulava. O grupo italiano alega que os valores de contrato no Brasil estavam abaixo dos praticados em outros países. Para Fabra, os valores são irreais e chegam a superar o faturamento obtido naqueles pontos.

A Infraero acabou abrindo uma investigação. A auditoria constatou que a TrueStar vendia seguros contra extravio ou dano à bagagem sem a autorização da Superintendência Nacional de Seguros Privados (Susep). O órgão recomendou que a empresa fosse multada em 10,6 bilhões de reais pela infração. A defesa apresentada pela companhia está sendo analisada. A Infraero também concluiu que a TrueStar foi favorecida pela renovação de seu contrato com o Aeroporto de Guarulhos, em 2011.

Além disso, em Brasília e em Congonhas o grupo italiano ocupava áreas maiores do que as previstas em contrato. No aeroporto paulista, os equipamentos de embalagem invadem a calçada do terminal. O relatório da Infraero, concluído em março de 2012, ainda não teve consequências. A estatal informou que a apuração ainda está em curso.

A briga fora dos terminais pelo domínio do mercado não é privilégio brasileiro. No Aeroporto de Miami, a TrueStar teve a vigência de seu contrato reduzida depois de a empresa ter pedido uma redução nos valores pagos para explorar o serviço. Houve nova licitação, e os italianos perderam para uma concorrente americana, a Safe Wrap.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás