Interessados em leilão de Galeão e Confins operam maiores aeroportos do mundo

DIMMI AMORA
NATUZA NERY
VALDO CRUZ

DE BRASÍLIA - FOLHA DE SP

Depois de adiar por quase um ano a concorrência, mudando várias vezes o formato da operação, e fazer excursões pelo mundo para divulgá-la, o governo respirou aliviado ontem com a confirmação de que o leilão dos aeroportos do Galeão (RJ) e de Confins (MG) terá mais de um interessado na disputa.

Cinco grupos entregaram propostas para a disputa, que acontece na sexta-feira. Todos vão disputar o Galeão, e três deles também Confins.

O governo não divulga o nome dos consórcios para evitar formação de cartel. Mas a Folha apurou que eles são formados por grandes construtoras nacionais aliadas a empresas que operam os maiores aeroportos do mundo, como Paris (França), Amsterdã (Holanda), Londres (Inglaterra), Frankfurt (Alemanha), Munique (Alemanha), Zurique (Suíça) e Cingapura (veja abaixo).

Os cinco grupos eram dados como certos pelo governo federal desde setembro, conforme a Folha antecipou na época. Ainda assim, o Planalto comemorou, já que temia-se que Confins pudesse ficar sem interessados.

Os grupos liderados pelas brasileiras Ecorodovias e Invepar e Carioca Engenharia não disputarão Confins.

As restrições impostas pelo governo -- maior experiência na administração de aeroportos de grande porte e restrição a operadores nacionais privados -- diminuíram o número de participantes em relação ao leilão de 2012, quando 12 grupos disputaram os aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília.

Afasta-se assim a chance de grupos de pequeno e médio porte vencerem a disputa, como aconteceu em 2012, o que não agradou à presidente Dilma Rousseff.

Dos consórcios que o governo esperava, só o da construtora Fidens com o operador americano ADC&HAS não apresentou proposta.

Na quinta-feira, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável pelo leilão, vai informar se algum dos concorrentes não poderá participar da fase seguinte, de lances, na sexta.

Para a fase de lances, serão habilitadas as três empresas que fizerem a melhor proposta inicial por cada aeroporto. Classificam-se também as que fizerem ofertas com até 90% do valor da maior proposta de cada unidade. As habilitadas podem oferecer lances na hora e vence quem fizer a maior proposta.

O valor mínimo para o Galeão é de R$ 4,8 bilhões. Já para Confins, R$ 1,1 bilhão. No último leilão, o ágio médio das três unidades foi de 347%. Mesmo com menos consórcios, a expectativa é de valores também elevados.

ODEBRECHT TRANSPORT (grupo Odebrecht)


Sócio operador: Changi Airport Group (Cingapura)
Aeroporto controlado: Changi (Cingapura)
Passageiros: 51,2 milhões
Faturamento: € 1,2 bilhão
Funcionários: 1.400

ECORODOVIAS (grupo CR Almeida)

Sócio operador: Fraport AG (Alemanha)
Aeroportos controlados: 13 (principais: Frankfurt, Alemanha; Antalya, Turquia; Lima, Peru)
Passageiros: 188 milhões
Faturamento: € 2,5 bi
Funcionários: 21 mil

CARIOCA ENGENHARIA

Sócio operador 1: ADP Airports (França)
Aeroportos controlados: 13 (principais: Paris; Orly, França)
Passageiros: 88 milhões
Faturamento: € 2,6 bi
Funcionários: 9.000

Sócio 2: Schipol (Holanda)
Aeroportos controlados: 4 (principal: Amsterdã)
Passageiros: 55 milhões
Faturamento: € 1,4 bilhão
Funcionários: 2.100

GRUPO QUEIROZ GALVÃO

Sócio operador: Ferrovial (Espanha)
Aeroportos controlados: 4 (principais: Heathrow, Inglaterra; Glasgow, Escócia)
Passageiros: 100 milhões
Faturamento: € 7,7 bilhões
Funcionários: 2.100

CCR (grupos Andrade Gutierrez, Camargo Correa e Soares Penido)

Sócio operador 1: Flughafen Zürich AG (Suíça)
Aeroporto: Zurique (Suíça)
Passageiros: 25 milhões
Faturamento: € 758 mi
Funcionários: 1.400

Sócio 2: Flughafen Munchen (Alemanha)
Aeroporto: Munique
Passageiros: 38 milhões
Faturamento: € 1,2 bi
Funcionários: 7.600

Fonte: balanços anuais das operadoras, 2012


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás