Antigo terminal da Pan Am em Nova York é demolido

Por DANIEL LEB SASAKI* - FOLHA DE SP

Um símbolo dos tempos em que a aviação comercial era glamourosa está vindo abaixo. A Delta Air Lines e a Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey, entidade que administra os aeroportos locais, decidiram aposentar o antigo Terminal 3 do Aeroporto Internacional John F. Kennedy, que durante 30 anos abrigou as operações da lendária Pan Am. O complexo está sendo demolido.

A Delta, que herdou a instalação em 1991, ano em que a Pan Am saiu do mercado, resolveu investir US$ 1,2 bilhão na expansão do Terminal 4, já em funcionamento. O motivo alegado: a infraestrutura antiga já não comportava com eficiência a quantidade de voos e as reclamações dos passageiros em relação ao desconforto eram frequentes.

Quando os planos para a demolição foram apresentados, em 2010, os nostálgicos reagiram. O antigo terminal, inaugurado em 1960 e mais tarde batizado Pan Am Worldport, é considerado um ícone da arquitetura space-age por causa de seu telhado com forma de disco voador.

Além disso, foi palco do nascimento da aviação a jato para as massas. Causou indignação o fato de ser destruído para dar lugar a uma área vazia para estacionamento de aviões. Em sua defesa, a Autoridade Portuária alegou que manter a estrutura seria inviável para um aeroporto que sofre com falta de espaço, como o JFK.

Ex-funcionários e admiradores da Pan Am formaram um grupo na internet para tentar reverter a decisão. Alistaram até mesmo a filha de um dos arquitetos do terminal.

Durante meses, entupiram os canais de comunicação da Delta e da Autoridade Portuária com mensagens de conteúdo preservacionista, e fizeram uma verdadeira cruzada junto a jornais e TVs locais. Também colheram depoimentos de personalidades, como Frank Abagnale Jr., o falsário que se passou por piloto nos anos 1960 e inspirou o filme “Prenda-me se for capaz” (2002), e o artista Milton Hebald, que projetou para a entrada do terminal uma escultura considerada, à época, a maior do mundo.

Tiveram pequenas vitórias. Por exemplo, em junho, o National Trust for Historic Preservation, entidade de relevância que defende a preservação de locais históricos, selecionou o terminal como um dos 11 Lugares Históricos Mais Ameaçados dos Estados Unidos, chamando a atenção dos norte-americanos para o assunto e propondo ações de salvamento.

Mas não foi o suficiente: os portões de embarque foram definitivamente fechados e em questão de dias os tratores entraram em cena.

Diante da crescente repercussão negativa, a Delta e a Autoridade Portuária dispararam um press release, afirmando que reconheciam a importância histórica do edifício. Comprometeram-se a criar uma homenagem ao Worldport no próprio aeroporto, incorporando artefatos, maquetes e fotografias. Mais um exemplo do poder das redes sociais.


O Worldport da Pan Am em 1961 (Jan Proctor/Wikimedia Commons)
Hoje, o cenário é de destruição. Em questão de meses, assim como a própria Pan Am, o Terminal 3 será só uma lembrança.
Daniel Leb Sasaki, jornalista, é autor do livro “Pouso forçado: a história por trás da destruição da Panair do Brasil pelo regime militar”


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás