Aeroporto em Campinas (SP) quer fim de cemitério de avião para ampliar área

Do UOL, em Campinas (SP)

A concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, que administra o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (93 km a noroeste de São Paulo), negocia o fim do cemitério de aviões existente no terminal desde 2004. Atualmente cinco aviões estão no local.

A administradora do terminal aéreo não pode vendê-los ou descartá-los sem autorização do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Receita Federal.

"Nos últimos dias, houve um avanço significativo nas negociações com as empresas responsáveis pelos aviões e, com certeza, em breve teremos novidades. A negociação com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), responsável por autorizar as remoções, também avançou", diz o diretor de operações da concessionária, Marcelo Mota.

O local tem dois DC-8 da Skymaster, um Boeing 737 da Vasp, um DC-8 da Montini Air e o cargueiro MD-11 da empresa Centurion Cargo, que derrapou na pista ao pousar e bloqueou Viracopos por 45 horas no ano passado após apresentar problemas.

O cargueiro já foi desmontado e deve ser retirado do local nas próximas semanas.

As quatro primeiras aeronaves, abandonadas no local entre 2004 e 2009, fazem parte da massa falida de companhias aéreas, e o destino delas está sendo discutido no CNJ.

Com a retirada dos aviões, a concessionária pretende ampliar a pista de taxiamento (manobra) para agilizar a movimentação de aeronaves e construir hangares.

"Precisamos resolver o problema para facilitar a expansão do aeroporto", declara Mota. Segundo ele, empresas de sucata e um parque temático já demonstraram interesse em adquirir os aviões.

Segundo o CNJ, há duas possibilidades: o desmanche ou a venda da aeronave inteira.

Em 2011, o CNJ criou o programa Espaço Livre cuja finalidade é remover dos aeroportos toda a sucata de aviões pertencente a empresas aéreas que faliram nos últimos anos e que ainda ocupam espaço nos terminais.

Entretanto, as negociações demoram a ocorrer e pouca coisa foi resolvida desde então.

Somente após autorização do CNJ e da Receita Federal as companhias ou seus representantes podem desmontar, negociar e dar destinação aos antigos aparelhos.

Mota também explicou que os aviões estão obsoletos e há uma grande defasagem tecnológica em relação aos atuais. Por isso ele avalia que as peças têm pouco valor comercial.



-->
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás