Aeroportuários decidem manter greve ao menos até 3ª feira

Eduardo Simões - Reuters

SÃO PAULO, 1 Ago (Reuters) - Os aeroportuários decidiram manter a paralisação nos 63 aeroportos operados pela estatal Infraero ao menos até a próxima terça-feira, quando haverá uma audiência de conciliação entre a categoria e a empresa na Justiça do Trabalho, disse o diretor administrativo do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), Samuel Santos.

Segundo ele, a categoria vai respeitar decisão liminar do presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que impôs restrições à paralisação sob pena de pagamento de multa diária de 50 mil reais, embora o sindicato discorde das limitações impostas.

Nesta quinta-feira, os índices de atraso e cancelamentos de voos eram superiores aos registrados na véspera, primeiro dia de paralisação dos aeroportuários, mas de acordo com a Infraero, isso se deve ao fechamento dos aeroportos Santos Dumont e Galeão, no Rio de Janeiro, por questões climáticas. De acordo com a estatal, a situação nos aeroportos era normal, apesar da manifestação.

"A greve está mantida até terça-feira, respeitando a liminar (do TST)", disse Santos à Reuters por telefone. "A Infraero diz que a greve foi pífia, mas pede uma liminar restringindo o nosso direito. Nosso sentimento é de vitória", garantiu.

Apesar de a Infraero afirmar que os índices mais altos de cancelamento e atrasos nesta quinta se dever ao fechamento dos aeroportos do Rio, o sindicalista acredita que a greve está tendo efeito nos serviços da estatal.

"Acreditamos que sim, porque o setor aeroportuário trabalha em cascata", disse.

Em boletim atualizado às 17h, a Infraero disse que 26 por cento dos voos domésticos sofreram atrasos e 5 por cento foram cancelados. Na véspera, neste mesmo horário, esses índices eram de 14,9 por cento e 1,4 por cento, respectivamente.

Nos voos internacionais, ainda de acordo com a estatal, os atrasos representavam 31,6 por cento e os cancelamentos 3,4 por cento. Na quarta-feira, no boletim de mesmo horário, os índices eram de 20,2 por cento e 1 por cento.

Na noite de quarta-feira, o presidente do TST, ministro Carlos Alberto Reis, rejeitou pedido da Infraero para que a greve fosse considerada abusiva e decidiu que a paralisação poderia continuar, desde sejam mantidos 100 por cento das operações de controle de tráfego aéreo, 70 por cento das de segurança e operação e 40 por cento das demais áreas.

O diretor do Sina disse que, apesar de respeitar a decisão, o sindicato não concorda com ela e estuda maneiras de convencer o presidente do TST a revê-la.

"A gente vai tentar mostrar que a liminar não atende aos trabalhadores", disse. "Direito de greve é um direito que todo trabalhador deve ter", acrescentou.

A Infraero informou que seu Departamento Jurídico estuda a liminar e que ainda não há decisão da estatal sobre um eventual questionamento da decisão.

O ministro Carlos Alberto Reis marcou uma audiência de conciliação entre o sindicato e a Infraero para a próxima terça-feira. A categoria pede, entre outros pontos, reajuste salarial de 16 por cento e melhoria nos benefícios. A estatal ofereceu aumento de 6,4 por cento, que representa a reposição da inflação entre maio do ano passado e abril deste ano.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião de pequeno porte cai no mar em Paraty, na Costa Verde do Rio

American Airlines não leva brasileiros para réveillon em Nova Iorque

4 ficam feridos em pouso brusco de helicóptero na plataforma da Petrobrás