Pular para o conteúdo principal

Empresa do PR vence licitação para obras do Aeroporto de Vitória

Valor da proposta apresentada pela arrematante foi de R$ 546 milhões.
Empresa vencedora terá prazo de 914 dias para executar a obra.


Do G1 ES, com informações de A Gazeta

A paranaense Jota Ele Construções Civis S.A. venceu a licitação realizada nesta quinta-feira (20) pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) para retomar e concluir as obras do Aeroporto Eurico Salles, em Vitória, paralisadas desde 2007. O valor da proposta apresentada pela arrematante foi de R$ 546 milhões. A empresa vencedora terá prazo de 914 dias, poucou mais de 2 anos e 6 meses, para executar a obra, a contar da data da assinatura da ordem de serviço.

Aeroporto de Vitória (Foto: Infraero/Divulgação)
Aeroporto de Vitória (Foto: Infraero/Divulgação)

De acordo com as regras do edital, a licitação na modalidade de Regime de Contratação Diferenciada (RDC), a estatal deve respeitar o prazo de cinco dias para que as demais empresas apresentem recurso, se desejarem. Na etapa seguinte, a Infraero vai analisar a documentação da empresa vencedora.

De acordo com informações da Infraero, a homologação da licitação está prevista para os próximos 30 dias. A assinatura do contrato deverá ocorrer no prazo de 60 a 90 dias, entre janeiro e fevereiro. Se não houver alteração nos prazos, a retomada das obras deverá acontecer em março de 2015 e a conclusão até meados de 2017.

O presidente da Infraero, Gustavo do Vale, havia prometido ao senador Ricardo Ferraço, no mês passado, em Brasília, que a retomada das obras ocorreria em janeiro de 2015. Nesta quinta-feira (20), após a realização da licitação, o senador disse que mantém a expectativa de que a obra seja iniciada em janeiro e concluída no prazo previsto no edital.

Construtora

A construtora Jota Ele Construções Civis S/A tem na área de engenharia apenas um de seus braços corporativos secundários. Sediada em Curitiba (PR), a empresa tem como atividade econômica principal a construção de edifícios.

Sua mais recente empreitada é a duplicação do aeroporto de Curitiba, além da revitalização do Hotel Copacabana Palace (RJ). Com registro jurídico de 1977 e prêmios, a firma faz “incorporação de empreendimentos imobiliários e comércio de máquinas, equipamentos de terraplanagem, mineração e construção”.

Figuram no portfólio da empresa de sociedade anônima fechada as universidades federais do Paraná e de São Paulo, apartamentos, fóruns, prefeituras, hospitais, hotéis, igrejas, escolas, shopping, condomínios, residenciais luxuosos e o mais seguro presídio federal do país - Catanduvas (PR).

Diretor-presidente da construtora João Luiz Felix garantiu, em entrevista ao jornal A Gazeta, que não terá problema nenhum em cumprir o prazo de dois anos e meio do edital da Infraero para concluir a obra do Aeroporto de Vitória. Ele salientou que, pela experiência da empresa na duplicação do aeroporto de Curitiba, o terminal de Vitória é uma obra fácil de fazer.

Promessa

As idas e vindas dessa obra já somam duas décadas. A primeira licitação foi realizada no final de 2004 e as obras começaram em 2005, com a promessa do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva de estarem concluídas em 2007.

Do inicio da obra até o consórcio desmobilizar o canteiro houve muito transtorno, inclusive, constatação por parte do Tribunal de Contas da União (TCU) de sobrepreço. Por conta da irregularidade, houve a retenção de parte do pagamento ao consórcio. As empreiteiras, sob a alegação de insegurança jurídica, deixaram definitivamente a obra em 2008.

As várias tentativas da Infraero, do TCU e do governo estadual de retomar as obras com o mesmo consórcio não deram certo. A proposta apresentada pelo consórcio não foi aceita pelo TCU, que considerou o preço de R$ 900 milhões muito alto. A determinação do TCU foi para encerrar as negociações com o consórcio (Camargo Corrêa, Mendes Júnior e Estacon) e fazer uma nova licitação.

* Com colaboração de Rita Bridi, do Jornal A Gazeta


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avião cai e mata dois

A queda de um bimotor que fazia a rota Teresina-Recife, com dez pessoas a bordo, provocou pânico em San Martin. Oito passageiros ficaram feridas


Um avião bimotor, modelo King Air B200, que retornava de Teresina, no Piauí, com dez pessoas a bordo, a maioria empresários pernambucanos, caiu às 11h15 de ontem, no bairro de San Martin, na Zona Oeste do Recife, e por pouco não provocou um dos maiores acidentes aéreos da história de Pernambuco. O piloto morreu na hora e um dos passageiros, a caminho do hospital. As outras oito pessoas ficaram feridas, uma delas em estado grave. O número de mortos e feridos, entretanto, não foi maior graças à habilidade do piloto. Os 25 anos de experiência permitiram que salvasse diversas famílias que passavam o domingo em casa, nas estreitas ruas do bairro, com 23 mil habitantes.

Sete casas foram atingidas, mas havia moradores em apenas duas delas. Uma dona de casa sofreu arranhões leves. O piloto Eurico Pedrosa Neto, 47 anos, que quebrou o pescoço no acidente…

Avião colide com ave em pleno voo e assusta passageiros (vídeo)

Com a colisão, o vidro do pára-brisas da aeronave ficou destruído, deixando o co-piloto com ferimentos leves
O Dia

Fortaleza - Um avião de pequeno porte que fazia a rota entre Fortaleza e Teresina, no último domingo, colidiu com uma ave durante o voo. Com a colisão, o vidro do para-brisa da aeronave ficou destruído, deixando o copiloto com alguns ferimentos leves no rosto.

Vidro do para-brisa de avião quebrou ao bater em ave
De acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáutico (Cenipa), a aeronave manteve a rota e pousou com segurança no destino.


Destroços de avião desaparecido há uma semana são localizados

Em Valença, no estado do Rio de Janeiro, foram encontrados os destroços do avião que estava desaparecido desde o dia 30 de janeiro. Os corpos de um empresário e de sua família também foram vistos.