Pular para o conteúdo principal

Moscou não permitirá que os responsáveis da catástrofe do Boeing na Ucrânia escapem à responsabilidade

Rússia está preocupada com a perda do interesse do Ocidente em investigar as causas da catástrofe do Boeing da Malaysia Airlines na Ucrânia. As conversações entre controladores aéreos foram tornadas secretas. Os dados gravados por caixas-pretas não foram divulgados. Cria-se a impressão de que Kiev e seus aliados políticos tentem esconder os culpados da tragédia e não revelá-los.


Natalia Kovalenko | Voz da Rússia

Ainda não todos os corpos das vítimas da catástrofe foram identificadas e enterradas, mas parece que todos no mundo tinham esquecido o desastre. A mídia ocidental riscou esse tema dos boletins noticiários. Ele não se discute também em reuniões de organizações internacionais. Não há resposta a pergunta alguma, mas isso já não preocupa ninguém, destaca o chefe do departamento diplomático da Rússia, Serguei Lavrov:

“Cria-se a impressão de que todos os outros tinham perdido interesse em relação à investigação. Após as primeiras acusações bruscas, no limiar de histeria, contra a Rússia e as milícias, parece que todos que se manifestaram com tal ardor não abrem mais a boca. No fundo, nós sozinhos tentamos manter atenção a este problema muito sério. Estamos apelando a que seja cumprida a resolução 2166 do Conselho de Segurança. Quando no dia seguinte após a catástrofe foi aprovada esta resolução, ela manteve um apelo a que seja posto o fim imediato ao fogo ao redor do local da queda de destroços da aeronave. Praticamente fomos sozinhos a expressar séria preocupação, quando a direção ucraniana havia afirmado publicamente que não seria declarado um cessar-fogo, devendo primeiro os militares reconquistar esse lugar controlado por rebeldes. Quando havíamos apelado a que o Conselho de Segurança da ONU dispensasse atenção a esse fato e exigisse cumprir sua resolução, os americanos, britânicos e lituanos não permitiram que isso fosse feito”.

Uma aeronave da Malaysia Airlines seguia em 17 de julho de Amsterdã para Kuala Lumpur. O corredor aéreo internacional passava através da Ucrânia em estado de guerra. Inesperadamente, o Boeing alterou os parâmetros de voo, afastou-se para a zona de ações militares ativos e baixou a altitude. O aparelho caiu no território controlado por milicianos de Donbass.

Qual foi a razão de a tripulação ter alterado o itinerário traçado? A resposta a essa pergunta podem dar dados gravados por registadores de voz de bordo que se conservaram em perfeito estado e foram entregues à Inglaterra. Podem esclarecer a situação as conversas gravadas entre os controladores aéreos que monitoravam naquele dia os voos no céu ucraniano. Funcionários de serviços aéreos terrestres da Ucrânia também podem lançar luz sobre a causa da tragédia.

Mas todos esses dados foram tornados secretos. Ao mesmo tempo, os familiares das vítimas e a opinião pública dos países atingidos pela tragédia estão calados, esperando com paciência que alguém se digne a conceder-lhes informações sobre os autores da morte de 298 pessoas, aponta Azhdar Kurtov, perito do Instituto de Pesquisas Estratégicas da Rússia:

“Não posso dizer por que os familiares das vítimas estão calados. Talvez, eles digam algo, mas sua voz não é ouvida. Mas entende-se perfeitamente por que não fala a mídia estatal e privada de países ocidentais. Ela é controlada por respetivas estruturas governamentais através do sistema de impostos e através do sistema de administração. Pelo visto, foi indicado que este tema deixe de ser discutido”.

Contudo, Kiev e seus aliados não conseguirão silenciar essa história e desviar da responsabilidade as pessoas culpadas da catástrofe. Moscou tenciona fazer tudo para que a verdade seja revelada, declarou responsavelmente o chanceler russo, Serguei Lavrov.

Trata-se não apenas do caso do Boeing malaio. Moscou não permitirá esquecer o bombardeio da sede da administração regional em Lugansk por um avião de combate, o crime terrível em Odessa quando foram queimadas vivas dezenas de pessoas que tentavam esconder-se de perseguições de nacionalistas, o uso militar de helicópteros com símbolos da ONU por militares ucranianos.

Os crimes cometidos nos últimos meses na Ucrânia serão investigados. Serão entregues à justiça todos que haviam cometido esses e muitos outros crimes na Ucrânia.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Polícia investiga acidente com helicóptero em Itupeva

A polícia começou a ouvir os funcionários da fazenda que prestaram socorro às vítimas no interior paulista. Câmeras de segurança mostram o momento do acidente. O helicóptero vinha de Paraty.


Vento pode ter causado queda de avião no Japão

Segunda-feira, 23/03/2009Um avião de carga, que estava aterrisava no Aeroporto de Narita, sofreu uma queda e explodiu. O piloto e o co-piloto, únicos ocupantes morreram no hospital. A causa do acidente pode ser o vento.

Destroços de avião desaparecido há uma semana são localizados

Em Valença, no estado do Rio de Janeiro, foram encontrados os destroços do avião que estava desaparecido desde o dia 30 de janeiro. Os corpos de um empresário e de sua família também foram vistos.