TAM, Gol, Azul e Avianca reúnem-se com Moreira Franco

Por Daniel Rittner | Valor
De Brasília

Às vésperas da nova rodada de divulgação de balanços do setor aéreo, que deverá expor novos prejuízos no segundo trimestre, o governo agendou uma reunião com os presidentes das quatro grandes empresas - TAM, Gol, Azul e Avianca - para o dia 20.

O ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, pretende fazer um diagnóstico da situação financeira das companhias. Ele quer saber se há necessidade de "medidas transversais", para todo o setor, ou se é preciso adotar ações para alguma empresa específica. A Gol inspira acompanhamento mais de perto, avaliam as autoridades.

Mesmo com a redução da oferta pelas companhias, com o objetivo de encher os aviões, dados em posse do governo indicam que os índices de ocupação da Gol não melhoraram no primeiro semestre.

De janeiro a junho de 2012, ela voou com 69% de seus assentos ocupados - o indicador baixou para 68,5% no mesmo período deste ano. Enquanto isso, a média do setor foi de 74,4% na primeira metade de 2013.

"A TAM tem mais possibilidades de capitalização", resumiu uma fonte do governo, lembrando a participação da chilena LAN no controle da empresa. A Gol registrou prejuízo de R$ 1,5 bilhão em 2012 e de R$ 75 milhões no primeiro trimestre deste ano.

Técnicos do governo lamentam a falta de espaço fiscal para emplacar a isenção de PIS e Cofins sobre o querosene de aviação, em meio aos cortes anunciados na semana passada pelo Ministério da Fazenda, que alcançaram R$ 10 bilhões. Na ocasião, o ministro Guido Mantega deixou claro que não havia espaço para novas desonerações em 2013.

Para os técnicos, a alta recente do dólar reforça a necessidade de medidas para o setor. Com a dificuldade de abrir mão de impostos federais no curto prazo, um dos poucos alívios imediatos deve ser quase simbólico, em termos de redução de custos para as companhias. O governo pretende apenas acelerar o fim da cobrança de tarifas em aeroportos com movimentação inferior a 1 milhão de passageiros por ano.

Em dezembro de 2012, junto com o anúncio da concessão do Galeão (RJ) e de Confins (MG), a presidente Dilma Rousseff prometeu estímulos à aviação regional e listou essa medida. Até hoje, ela não foi regulamentada. O governo pretende acabar com a cobrança das taxas de embarque (pagas pelos passageiros e apenas recolhidas pelas companhias) e das tarifas de pouso e permanência (que oneram as empresas) nos aeroportos menores.

Nos bastidores, Moreira Franco tem discutido a retomada do projeto de lei que retira o limite de 20% à participação do capital estrangeiro com direito a voto nas companhias aéreas. O texto está na Câmara dos Deputados e pode ser levado a plenário, mas não há consenso no governo sobre a flexibilização do limite. Moreira já defendeu outras formas de manter o controle das empresas nas mãos de brasileiros, mas setores da Esplanada dos Ministérios são contra até mesmo levar o teto a estrangeiros para 49%.

O governo federal tem interesse em avançar em uma discussão sobre as alíquotas de ICMS praticadas pelos Estados sobre o querosene, mas sabe que não dispõe de instrumentos para forçar a queda do imposto. O ICMS pesa bem mais do que o PIS e a Cofins para as empresas. A maioria dos governos estaduais fixa a alíquota em 25%. Em abril, o Distrito Federal reduziu o imposto para 12%, o que baixou os custos de operação no aeroporto de Brasília - o segundo maior "hub" do país, atrás apenas de Guarulhos.

Uma das mudanças mais desejadas pelas companhias, no entanto, tem poucas chances de prosperar. A alteração na fórmula de cálculo do preço do querosene pela Petrobras esbarra na resistência da estatal em mexer em questões que afetem suas contas. Esse ponto é especialmente sensível diante das necessidades de investimentos pela Petrobras.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Aviação russa fará voo de observação sobre os EUA

Avião russo com 92 pessoas a bordo cai no mar Negro